O Governo quer ganhar tempo para CPI da Petrobras

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2014 14h12

Nêumanne, por que é que as bancadas governistas estão reclamando da decisão da ministra do Supremo Rosa Webber?

Pois é, como deveria ser e ter sido, a ministra do Supremo Rosa Webber decidiu que a convocação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Petrobras não pode vir acrescentada de pedidos de investigação de outros assuntos que não dizem respeito a estatal. No caso, as investigações sobre o caso ALSTOM, em São Paulo, e sobre o Porto de Suape, em Pernambuco, para atingir os candidatos da oposição à presidência – o tucano Aécio Neves, do partido do governador Geraldo Alckmin, e Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco e presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro.

Pois então, aí ninguém ficou satisfeito na área governista; vão apelar para o plenário do Supremo Tribunal. Será que o plenário vai reverter essa decisão? É uma coisa tão lógica, tão evidente. Primeiro que a CPI é um instrumento da minoria; segundo que ela deve ter um específico tema a ser debatido.

Já é uma avacalhação no Congresso eles ficarem acrescentando novos itens, novos assuntos, nas medidas provisórias encaminhadas pelo governo. Agora, essa é mais uma porque interessa o governo. O governo quer ganhar tempo. As bancadas governistas não tem muito esperança de ganhar no mérito no Supremo; elas querem ganhar tempo para evitar a exposição de Dilma na reeleição.

Só que há um problema: não é possível que o Supremo fique protelando isso até a eleição outubro. E quanto mais se empurra pra frente, mais se aproxima da eleição. Segundo, se o governo tem maioria nos plenários do Senado e da Câmara, por que não quer enfrentar a CPI? A minha vó dizia que quem não deve, não teme. Aliás, se o governo quer tanto debater ALSTOM e o Suape lá em Pernambuco, por que é que não convoca CPIs específicas para isso? O que eles querem mesmo é evitar discutir a Petrobras e porque eles não podem fazer o que o Lula fez, né?

Lá na Espanha, o ex-presidente, usando aquele seu velho truque, disse que tava por fora de Pasadena. Por mais interpretações malignas que essa declaração dele tiver, fica valendo o fato de que ele não sabia, nem devia saber. Mas pelos menos a Dilma, que era a gerentona dele, devia, né?