O projeto criminoso de poder escancarado

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2017 10h44
Brasília - A presidenta Dilma Rousseff e o novo ministro da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de posse (José Cruz/Agência Brasil) José Cruz/Agência Brasil A presidente Dilma Rousseff e o novo ministro da Casa Civil

“Seu pessoal está com a goela muito aberta” disse Emílio Odebrecht a Lula ao reclamar do aumento de repasses da empreiteira.

Em delação, o patriarca afirmou que o ex-presidente fazia pedidos diretamente a ele, mas que representantes dos dois lados negociavam os valores.

Vera Magalhães comenta: isso se chama um projeto criminoso de poder. Era a perpetuação do PT no poder. Tanto que, dos R$ 451 milhões que a Odebrecht repassou por meio de propinas, quase a metade, R$ 204,9 milhões foram para petistas.

E o PT ainda pegou uns pedaços de outros partidos.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.