O que coincide e o que não coincide entre pesquisas Ibope e Datafolha

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 03/10/2014 14h37
Reinaldo, o que coincide e o que não coincide nas pesquisas presidenciais do Datafolha e do Ibope?
 
Tanto no Datafolha como no Ibope, Dilma, do PT, tem 40% das intenções de voto, e Marina Silva, do PSB, 24%. Ainda que dentro da margem de erro, os números são distintos no caso de Aécio Neves, do PSDB, que aparece com 21% no Datafolha e com 19% no Ibope. Uma pequena diferença, sim, mas que pode… fazer toda a diferença: no primeiro instituto, o tucano e a pessebista estão tecnicamente empatados; no segundo, não. No Datafolha, os outros candidatos somam 4%; no Ibope, 3%. Os institutos também têm outra divergência, e já digo por que isto é importante. No primeiro, 5% dizem não saber em quem votar, e o mesmo tanto votam em branco ou nulo; no segundo, esses números são, respectivamente, 8% e 7%.
 
Assim, Dilma continua com 45% dos votos válidos no Datafolha e chega a 47% no Ibope. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% mais um dos votos válidos. No segundo turno, os números oscilam dentro da margem de erro nos dois institutos, mas acabam sendo bastante diferentes entre si. Vamos ver os números do Datafolha. 
 
No Datafolha, na disputa contra Marina, Dilma oscilou um ponto para baixo, e a pessebista se manteve no mesmo lugar. Se a eleição fosse hoje, a diferença entre as duas seria de 7 pontos em favor da candidata do PT: 48% a 41%. No Ibope, esse mesmo confronto traz números bem distintos, embora a distância seja mesma: 43% a 36%. Notem: nos dois casos, o Ibope atribui cinco pontos a menos a cada candidato. Por que essa diferença? No Datafolha, os brancos e nulos (8%) e indecisos (3%) somam 11%; no Ibope, somam 20% (12% brancos e nulos e 8% de indecisos).
 
No caso de Dilma disputar com Aécio, como se nota acima, tanto os índices como as respectivas distâncias são muito distintas: no Datafolha, a petista teria apenas 7 pontos a mais do que o tucano: 48% a 41%; os brancos e nulos seriam 7%, e os indecisos, 3%. Segundo o Ibope, a diferença seria bem maior: de 13 pontos: 46% para ela e apenas 33% para ele. De novo, a distância enorme em brancos e nulos, que seria 12% nesse caso, com 9% de indecisos. Em quem acreditar? Ah, meu amigo, isso é com você. Os dois institutos dizem que a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. O Datafolha ouviu 12.022 eleitores em 433 municípios entre estas quarta e quinta. O Ibope entrevistou 3.010 eleitores em 205 municípios, entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro. Logo, os números do primeiro instituto são, digamos, mais quentes.
 
Os números sobre a rejeição tem pelo menos uma divergência importante: 32% não votariam em Dilma de jeito nenhum segundo o Datafolha;e  para o Ibope, são 29%; Aécio marca, respectivamente, 21% e 20%. Já a rejeição a Marina é maior no Datafolha do que no Ibope: 25% a 18%.
Então vamos a uma síntese:
 
1) no Datafolha, a outra vaga do segundo turno segue indefinida: ou Marina ou Aécio; no Ibope, é a pessebista quem vai
 
2) a divergência sobre brancos e nulos e indecisos entre os institutos é gigantesca nos dois turnos. Isso faz diferença: no Ibope, Dilma estaria mais perto de vencer no 1º turno do que no Datafolha; 
 
3) no Ibope, caso passe para um segundo turno, Aécio estaria numa situação bem mais difícil do que no Datafolha: no primeiro caso, uma diferença de 13 pontos; no segundo, de apenas 7.
 
Façam as suas apostas, além, claro!, de votar direito.