O que é ser mãe?

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2017 13h10
Polícia de SP descobre clínica de aborto clandestina

Dizem que estamos vivendo um período em que a uma civilização está morrendo, a outra ainda não nasceu.

Os valores se alteram, os hábitos se alteram. O que chocava não choca mais.

Uma mãe no interior de São Paulo admitiu de início ter matado o filho. Depois mudou a versão. Um trio acusado de participar do assassinato ainda responsabiliza a mãe. O padrasto do menino confessou ter transportado o corpo do garoto .

Não é uma notícia isolada. Toda hora nós damos uma notícia absurda como essa. Lembremos os casos Nardoni e Richthofen.

É difícil imaginar que uma mãe abandone o próprio filho

Cristo dizia no evangelho de S. Mateus: “Qual de vós, se o seu filho pedir pão, lhe dará pedra, ou se pedir peixe lhe dará uma cobra?”

No Velho Testamento, o profeta Isaías questiona: “Haverá mãe que possa se esquecer de seu bebê que ainda mama, de modo que não se compadeça do filho de seu ventre?”

Esse noticiário agride todos os valores, inclusive o da mulher, que, como ser humano, é a própria matriz do seu filho, do seu lar e da sociedade como um todo.

O nosso grande poeta Coelho Neto escreve:

Ser mãe é desdobrar fibra por fibra

o coração! Ser mãe é ter no alheio

lábio que suga, o pedestal do seio,

onde a vida, onde o amor, cantando, vibra.

 

Ser mãe é ser um anjo que se libra

sobre um berço dormindo! É ser anseio,

é ser temeridade, é ser receio,

é ser força que os males equilibra!

 

Todo o bem que a mãe goza é bem do filho,

espelho em que se mira afortunada,

Luz que lhe põe nos olhos novo brilho!

 

Ser mãe é andar chorando num sorriso!

Ser mãe é ter um mundo e não ter nada!

Ser mãe é padecer num paraíso!