O que eu desejo para a minha sexualidade em 2014?

  • Por Jovem Pan
  • 31/01/2014 10h51
sexo casual 100513

Um novo ano se inicia e com ele aquela vontade de fazer diferente, de fazer ainda melhor. Costumamos pensar em melhorar a nossa saúde, fazer mais atividade física, dormir mais, descansar, se alimentar melhor. Muitas vezes no trabalho procurarmos ser mais produtivos, ter mais foco, garra, empreender mais. Na vida amorosa e social desejamos sair mais, curtir mais a vida e o(a) parcerio(a), ter mais momentos de lazer, viajar. E assim vamos criando aquela nossa famosa lista de resoluções de ano novo. Contudo, raramente as pessoas pensam no que querem para a sua sexualidade, o que querem melhorar, que neuroses querem deixar de lado, no que desejam inovar, experimentar, o que não está bom, entre outros questionamentos possíveis.    

Desta maneira, trago abaixo algumas dicas do que fazer, pensar, refletir e mudar para ter uma sexualidade mais feliz, saudável e prazerosa.

  • Refletir: o que eu gostaria de mudar em mim, com o que não estou satisfeito(a) ou o que eu poderia melhorar? E com o(a) meu(inha) parcerio(a), o que poderia melhorar, do que eu não gosto? Como está a nossa comunicação? E a comunicação em relação às questões da sexualidade?
  • Ser reconhecido, valorizado, elogiado;
  • Ler, estudar e fazer cursos de assuntos variados da sexualidade (como está fazendo aqui, agora!);
  • Praticar alguma atividade física que lhe traga prazer e sensação de dever cumprido. Pode ser qualquer uma, desde aquelas mais comuns das academias, como musculação, bicicleta, esteira, natação, etc, até esportes e hobbies como caminhadas, futebol, basquete, vôlei, cooper, surf, dança ou ainda yoga, pilates, etc…
  • Evitar pensamentos negativos em relação a si;
  • Utilizar a criatividade e inventividade – existe uma gama de produtos eróticos e sensuais que você pode experimentar. E para quem ainda não se sente a vontade de ir pessoalmente a uma loja, existe uma variedade de lojas online.
  • Permitir-se momentos de prazer/lazer;
  • Importar-se menos com o que os outros pensam ou dizem de você;
  • Estar inteiro na relação sexual, deixar de lado os compromissos e afazeres;
  • Gostar de você mesmo e do seu corpo, sendo magro ou gordo, alto ou baixo;
  • Buscar se melhorar para se sentir mais bonito, fazendo academia e se alimentando melhor, mas sem virar escravo de modismos;
  • Tomar muito cuidado com a ditatura do sexo, ou seja, com o que a sociedade está nos impondo de regras e scripts a respeito do sexo, como vemos muito nas revistas femininas e masculinas, que dizem a quantidade de orgasmos que devemos ter, orgasmos múltiplos, como devemos agradar nossas parcerias, como devemos nos sentir… como se fossemos bonecos e como se fossemos todos iguais;
  • Procurar se agradar e estar de bem consigo mesmo;
  • Olhar-se no espelho com olhos mais gentis e menos críticos;
  • Construir um relacionamento onde haja intimidade, cumplicidade, privacidade e que possam conversar sobre seus desejos, vontades, fantasias e também sobre os incômodos;
  • Procurar se tocar, se acariciar e conhecer os caminhos do seu prazer corporal e genital;
  • Falar com o(a) parceiro(a) sobre o jeito que você gosta de ser tocado;
  • Vestir-se bem, sentir-se bem nas roupas “de baixo” e nas de cima também. Mostre assim que gosta de si e que se arruma para o(a) parceiro(a);
  • Ter momentos a dois;
  • Realizar fantasias;
  • Fazer sessões de massagem a dois;
  • Deixar os preconceitos de lado! Conversar com um terapeuta sexual pode ser muito interessante.

Como você deve ter percebido, algumas sugestões não estão diretamente relacionados à sexualidade. É importante lembrar, como vimos na última publicação “O que atrapalha a vida sexual”, que são vários os fatores que atrapalham a vida sexual, da mesma forma como são vários os que a ajudam, e muitos deles não estão intrinsicamente ligados ao sexo. Como nos sentimos em relação a nós mesmos, estando junto com o(a) nosso(a) parceiro(a), como estamos na carreira, a relação com a família, dentre outros, tudo isto influencia em quem somos, no que sentimos, pensamos e vivemos.

Desta maneira, reforço a pergunta do titulo: o que eu desejo para a minha sexualidade em 2014? E ainda mais, o que eu vou fazer para realizar estas mudanças?

Um Feliz 2014 para todos!!!