O triunfo de Marine Le Pen

  • Por Caio Blinder/Jovem Pan Nova Iorque
  • 06/05/2017 10h23
-FOTODELDIA- ETI11 PARÍS (FRANCIA) 01/05/2017.- La líder del Frente Nacional (FN), Marine Le Pen, ofrece un discurso durante un mitin en Villepinte en el norte de París (Francia) hoy, 1 de mayo de 2017. EFE/Etienne LaurentEFE - Marine Le Pen em discurso na França

Mesmo com a derrota na eleição francesa deste domingo, Marine Le Pen poderá cantar vitória. Ela tornou legítima a Frente Nacional, o partido com raízes fascistas e antissemitas fundado nos anos 1970 por seu execrável pai, Jean Marie Le Pen.

Ouça o comentário AQUI.

A Frente Republicana, consolidada em 2002 e que tapou o nariz para conferir a avassaladora vitoria de Jacques Chirac, contra Jean Marie Le Pen, está mais frouxa. Esquerda e direita não conseguem se unir com o mesmo vigor pragmático 15 anos mais tarde. Para muitos eleitores desencantados com o que está aí, a resposta será a abstenção, criando uma falsa e inquietante equivalência entre Marine Le Pen e o centrista Emmanuel Macron.

Claro que a chance de vitória de Le Pen é remotíssima, mas se marcas psicológicas forem atingidas como ela ser derrotada por menos de 20 pontos ou alcançar o patamar de 40% dos votos, já será uma proeza.

Será a prova do perverso sucesso da Frente Nacional para ser menos fedorenta e “se desintoxicar”. Sua campanha não menciona o sobrenome ou Frente Nacional. Ela fala em preservar a identidade nacional e não mais a raça. Enfatiza que se opõe ao radicalismo islâmico e não a uma religião.

Sempre que ressurge um negador do Holocausto falando pelo partido, ele é removido de maneira fulminante, embora mesmo a candidata tenha tropeçado em abril ao alegar que o estado colaboracionista francês não podia ser responsabilizado pela detenção em massa de judeus na Segunda Guerra Mundial.

Marine (e eu insisto em complementar com Le Pen) . Sua grande jogada é transformar a eleição em um plebiscito sobre a globalização, alvejando Macron como o candidato das elites e ela a campeã da França esquecida.

Faltam algumas horas para eleitores relutantes assumirem com convicção o que está em jogo para a França e o mundo civilizado neste domingo. Não se trata de uma escolha entre a praga e a cólera, mas entre Emmanuel Macron e a praga e/ou cólera.