Odebrecht ainda tenta reduzir multa de acordo de leniência com a Lava Jato

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2016 09h22
São Paulo - Polícia Federal chega a construtora Odebrecht na 23ª fase da Operação Lava Jato( Rovena Rosa/Agência Brasil)40 auditores Da Polícia Federal trabalham na fase que investiga Lula

Ainda não está assinada a parte financeira das tratativas da empreiteira Odebrecht com a força-tarefa da Lava Jato no acordo de leniência que envolve multa bilionária e a delação de mais de 70 funcionários entre colaboradores e lenientes (estes, que não cometeram crimes, mas vão testemunhar). As informações são da colunista Jovem Pan Vera Magalhães.

A empresa deve concordar em pagar uma multa pesada pelos crimes que cometeu e confessa. O acordo de leniência é condição para que a Odebrecht volte a contratar com o poder público. O juiz Sergio Moro e os procuradores querem arbitrar o valor devolvido em R$ 6 bilhões, o que seria de longe a mais pesada multa até agora. Comparando, a Andrade Gutierrez ressarciu os cofres públicos em apenas R$ 1 bilhão em seu acordo de leniência, um sexto do exigido da Odebrecht.

Os advogados da Odebrecht, a maior empreiteira do País, que relutou por meses em colaborar com a Justiça, estimam que um valor razoável para a multa seria entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões. Os defensores ainda não assinaram essa parte do acordo e querem negociar o valor.

Argumentos

Os advogados da empreiteira argumentam que a multa cobrada é muito elevada e elimina a capacidade de a empresa se recuperar financeiramente. Em crise também por causa dos efeitos da Lava Jato, a Odebrecht se desfaz de ativos em várias áreas, como saneamento e ambiental. Essas são áreas que não compõem o “core business” da companhia, a construção. Não haveria como a empresa desembolsar R$ 6 bilhões e continuar operando.

Além disso, argumentam os defensores, a empresa está fornecendo muitas informações em seu acordo de delação premiada, inclusive outros esquemas de corrupção e envolvimento de políticos de vários partidos, e os executivos não estariam pegando uma pena judicial tão baixa que justifique uma multa desse tamanho.

A Odebrecht quer um sistema de pesos e contrapesos que garanta que a empresa, depois de colaborar com a Justiça, possa continuar operando e se recuperando financeiramente, além de preservar os empregos da companhia.

No acordo, Marcelo, Emilio Odebrecht e outros executivos envolvidos no esquema terão de se afastar temporariamente da direção da empresa.

Agora é esperar e ver se Sergio Moro e a força-tarefa vão reabrir negociação para rever o valor da pena da Odebrecht, que contava com um setor específico para operacionalizar as propinas que a empresa pagava para obter licitações públicas, o chamado “Departamento de Operações Estruturadas”.