Onda populista e antiglobalização golpeia novamente: dessa vez na Itália

  • Por Caio Blinder/Jovem Pan Nova Iorque
  • 05/12/2016 08h00
99-417941. Rome (Italy), 05/12/2016.- talian Prime Minister Matteo Renzi during a press conference in Rome, Italy, 04 December 2016 after the referendum on constitutional reform, with his wife Angese Landini in the background. Matteo Renzi has announced his resignation after exit polls on 04 December 2016 suggest a 'No' vote victory in a crucial referendum to which Renzi had tied his political future. The referendum is considered by the government to end gridlock and make passing legislation cheaper by, among other things, turning the Senate into a leaner body made up of regional representatives with fewer lawmaking powers. It would also do away with the equal powers between the Upper and Lower Houses of parliament - an unusual system that has been blamed for decades of political gridlock. (Roma, Italia) EFE/EPA/ALESSANDRO DI MEO EFE/EPA/ALESSANDRO DI MEO Premiê italiano Matteo Renzi renuncia em Roma após resuktado negativo em referendo sobre reforma constitucional

No núcleo duro do capitalismo e da democracia liberal, 2016 é um ano ingrato, azedo, horrível, o maior desafio desde o final da Segunda Guerra Mundial com o avanço do populismo e das forças contrárias à globalização. O centro não resiste, respira com dificuldade e os temores são de que as coisas piorem em 2017.

Ouça o comentário completo AQUI.

Domingo, foi a derrota do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi no referendo a favor de reformas constitucionais. No final das contas, foi um referendo sobre o governo de centro-esquerda de Renzi, alinhado com as forças pró-globalização, enraizadas na União Europeia, alvejado por movimentos populistas de esquerda e de direita. Como se esperava, Renzi anunciou sua renúncia. A Itália entra em mais um período de instabilidade política, o que pode abrir mais espaço para esta onda populista.

Em junho, foi uma derrota ainda mais grave no referendo Brexit, quando os britânicos decidiram cair fora da União Europeia. Pode ser um divórcio atribulado, que desgastará ainda mais o frágil projeto europeu, a duras penas liderado pela primeira-ministra alemã Angela Merkel.

E obviamente, há pouco menos de um mês foi o maior triunfo populista e de repúdio ao status quo com a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas. O mundo pós-guerra está ao avesso, um mundo que tinha como pilares organizações multilaterais com a Otan e a União Europeia, além de contenção da Rússia, seja a comunista, seja agora a de Vladimir Putin, que hoje se revela como um grande vencedor deste ciclo eleitoral na Europa e nos Estados Unidos.

O centro está cansado e abatido, se mostra incapaz de resistir a forças demagógicas, que falam em construir muros e advogam protecionismo comercial. São forças hostis a imigrantes e a projetos globais, empenhadas em fincar as bandeiras do nativismo e do tribalismo. As bandeiras que em parte tinham sido arriadas com a destruição causada por rivalidades nacionais e extremistas na primeira metade do século 20.

Adiante, existem desafios bem ingratos para a ordem internacionalista liberal com eleições em 2017 em vários países europeus. O projeto de União Europeia sofreu golpes devastadores este ano nos referendos na Grã-Bretanha e agora na Itália. Será simplesmente fatal em caso da vitória da Frente Nacional, na França, de extrema direita, liderada por Marine Le Pen, uma populista mais sofisticada do que Donald Trump.

Antes da notícia da derrrota de Matteo Renzi no referendo italiano, houve um pequeno suspiro de alívio com a derrota do candidato de extrema direita, Norbert Hofer, nas eleições presidenciais austríacas. Apenas um pequeno alívio incapaz de suplantar o sobressalto diante do avanço populista, xenofóbico e antiglobalização nos dois lados do Atlântico Norte.