Petistas estão bravos com ex-jogador de futebol Ronaldo

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2014 09h58

Reinaldo, então os petistas estão ainda mais bravos com o ex-jogador Ronaldo?

Estão sim, e como. Olá, internautas e amigos da Jovem Pan.

Ronaldo, que é membro do COL, o Comitê Organizador Local da Copa, foi alvo mais uma vez da fúria da rede petista na internet. Na sexta ele havia dito que sentia vergonha dos atrasos dos preparativos para o mundial. No sábado, tanto o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, como a presidente Dilma reagiram.

Mal citando Nelson Rodrigues, a soberana disparou: “Não temos porque nos envergonhar, não temos complexo de vira-lata”. Ora, o tal complexo de vira-lata a que se referia Nelson era um sentimento injustificado e atávico de inferioridade. Ronaldo, ao contrário, se referia a problemas que estão aí, à vista de todos.

Nesta segunda a fúria dos petistas atingiu o paroxismo. O Fenômeno declarou seu apoio à candidatura de Aécio Neves, do PSDB, à presidência. Indagada se estava brava com o jogador, a presidente se limitou a um monossílabo: não.

Alguns petistas graúdos expressaram um muchocho de desagrado, mas a fúria mesmo se espalhou nas redes sociais, sob o comando dos patrulheiros de sempre. Que gente curiosa, não é?

André Sanchez, ex-presidente do Corinthians, hoje filiado ao PT, futuro candidato a deputado federal pelo partido, foi diretor de seleções da CBF entre 2011 e 2012. Tornou-se a face da inauguração do Itaquerão, um dos principais, vamos dizer, legados, da Copa do Mundo, ainda que apenas para uma fatia imensa dos brasileiros. Na inauguração do estádio lá estava ele, como uma espécie de grande mentor.

Muito bem. É claro que os petistas não veem nada de errado na atuação de seu provável futuro deputado federal. Ao contrário até, devem considerar, é até muito natural, que ele dispute a eleição e que tenha se filiado ao PT com todo o estardalhaço a que teve direito.

Então o petista Sanchez pode ter a sua posição política, e ser candidato. E Ronaldo não? Só porque este é membro do tal Comitê Organizador Local. Não consta que os que integram essa instância estejam proibidos de se manifestar sobre qualquer assunto.

Chega a ser engraçado. Alguns cobram enfaticamente que depois da declaração de apoio a Aécio, Ronaldo abandone o tal comitê. Ora, e porque ele deveria fazê-lo? Não consta que estivesse lá porque é petista, mas porque é Ronaldo. E por pertencer ao tal grupo não exclui os seus direitos de cidadão. Quer dar o seu voto a quem quiser, proclamando a sua escolha. Ou será que o tal COL deveria exigir teste de fidelidade ao governismo?

Pertenço ou não ao tal comitê, Ronaldo tem o direito de dar o seu apoio a quem bem entender. Ele não deve nada ao governo, ao Estado, aos políticos. O que ele tem foi conquistado com o suor do seu trabalho. Só faltava agora ser alvo de patrulheiros mal sucedidos e amargos.