Pingo Final: Cresce preocupação com protestos pró-impeachment

  • Por Jovem Pan
  • 03/03/2015 12h31

Meu pingo final vai para o protesto do dia 15 de março. Emissários do governo Dilma decidiram ter o mínimo de juízo, coisa que o PT e a CUT, como entes, definitivamente parecem não ter. A central sindical marcou para o dia 13 atos em defesa da Petrobras. Defesa contra quem? Só se for contra os petistas e os cutistas, não é mesmo? É uma piada. Lula já estrelou aquela patuscada no Rio e todos viram no que deu a coisa. Os tonton macoutes do petismo distribuíram porradas em meia dúzia que prostestava contra a roubalheira e só contribuíram para acirrar ainda mais os ânimos.

Pois bem: o Planalto quer que a CUT desista do ato por alguns bons motivos. Em primeiro, acha que vai ser um fiasco, já que nem os esquerdistas andam com muito ânimo para defender a Petrobras. Mas a razão principal é outra: a eventual manifestação no dia 13 acabaria pondo lenha na fogueira e servindo, na verdade, como estímulo para o ato em favor do impeachment da presidente, que está marcado para o dia 15 em várias cidades do país.

É crescente a preocupação do governo com esta manifestação. A situação política se deteriorou de tal maneira que o Planalto teme uma manifestação gigante, para a qual não haveria resposta. Se vai mesmo acontecer ninguém sabe. Em 2013, os brasileiros expressaram sentimento difuso de mudanças. A presidente, então, pôde enrolar a turma com a patranha das reformas. Em 2014, os protestos tinham como alvo os gastos da Copa. Neste 2015, vai se pedir o impeachment da presidente. Nessa caso, ela própria não teria muito a dizer.

Alguns palacianos estão apostando todas as suas fichas na “Lista de Janot”. Avaliam que se ela estiver recheada com os nomes da oposição, como se espera, a pressão ao governo diminui e o ânimo anti-Dilma arrefece.

O Planalto, em suma, conta com Janot para tirar o povo da rua.