Pingo Final: FHC no lugar de Temer? Trata-se de uma rematada bobagem!

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 03/11/2016 10h53
FHC (Fernando Henrique Cardoso) e Michel Temer - ABR

O tucano Xico Graziano, que foi chefe de gabinete da Presidência no governo FHC, escreve nesta quinta, na Folha, um artigo de rara infelicidade. Uma de suas teses: o ex-presidente é o nome certo para assumir a Presidência da República caso o TSE venha a cassar a chapa Dilma-Temer. O julgamento deve acontecer só no ano que vem. Se isso ocorrer, o Congresso escolhe o presidente-tampão. O vitorioso no pleito indireto não precisa ser parlamentar. Grazziano diz ainda que FHC também é o melhor do PSDB para disputar a Presidência em 2018 em eleições diretas. O artigo cobre o líder tucano de elogios. Concordo com todos eles. Mas vamos com calma.

Não vou aqui discutir se FHC é ou não o melhor nome tucano para o pleito direto. Sei de uma coisa: ele não quer nem ouvir falar. Aos 85 anos, exibe ótima forma física e está intelectualmente tão agudo como sempre. Mas todos conhecemos a rotina estafante de uma campanha eleitoral. O Brasil não é o Uruguai. É claro que ele não se submeteria a isso. E duvido que tivesse paciência, caso fosse bem-sucedido na disputa, para encarar as miudezas da política.

O que é impertinente, para dizer pouco, é Grazziano lançar o nome de FHC para um eventual certame indireto no caso de o TSE cassar a chapa que também elegeu Temer. Em primeiro lugar, a especulação, a essa altura do campeonato, é desnecessária e se confunde com torcida. Em segundo lugar, tudo o que o PT quer é um pretexto novo para ver se consegue encruar o discurso do golpe, que deu errado, que não colou.

Reentronizar FHC seria mel na sopa para… Lula! Sim, ele mesmo! Passou boa parte da sua existência emulando mentalmente com seu antecessor, dizendo-se melhor do que o outro, mas sempre sabendo que contava uma mentira a si mesmo. Considerem que a troca de guarda se daria com o país em meio a debates espinhosos como reforma trabalhista e da Previdência… Um FHC que voltasse ao cargo sem eleição conferiria verossimilhança ao discurso vigarista do golpe.

Notem: chega a ser penoso ter de entrar no mérito. A questão central deste post nem é essa. Acho um despropósito tratar desse assunto agora. Fica parecendo que há no tucanato, o que é falso, um movimento de desestabilização de Temer com o objetivo de, mais uma vez, levar FCH a sentar naquela cadeira. Ele já esteve lá. Venceu duas eleições diretas no primeiro turno.

O texto de Grazziano, que, parece, atua hoje nas redes sociais só serve a este propósito: criar burburinho nas… redes sociais.

FHC não quer voltar à Presidência da República nem pela via direta nem pela indireta. E faz muito bem! Tem uma herança rica demais para dilapidá-la como candidato a salvador da pátria.

Grazziano perdeu uma ótima chance de escrever sobre outro assunto. Qualquer outro.