Pingo Final: Temer e Maia podem se manifestar com ainda mais clareza contra a anistia que nunca houve nem haverá!

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 26/11/2016 16h18
Marcelo Camargo/Agência Brasil Michel Temer e Rodrigo Maia - ABR

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, e o próprio presidente Michel Temer devem frustrar nesta segunda grupos de extrema direita e de extrema esquerda, que contavam com a anistia fantasma ao caixa dois para desestabilizar o governo. Vamos ver.

Ouça o comentário completo AQUI.

Maia concedeu uma entrevista nesta sexta à GloboNews e afirmou que não há a menor chance de prosperar na Câmara uma emenda propondo anistia a quaisquer crimes. Ocorre que o tema “pegou” nas redes sociais. E “pegou” por quê? Porque houve, sim, a má-fé de alguns deputados espertalhões, que tentaram a patuscada.

Houve ainda o trabalho deliberado do Ministério Público e de setores do Judiciário: mesmo sabendo da inviabilidade jurídica do troço, fingiram que o risco era real com o intuito de desmoralizar o Congresso. E, como sempre, houve a má-fé de grupelhos de extrema direita e de extrema esquerda, que atuam para desestabilizar o governo Temer. Ah, sim: não nos esqueçamos de amplos setores da imprensa. Durante todo esse tempo, abstiveram-se de consultar a Constituição para saber o que ela dispõe a respeito.

Temer já deixou claro, vejam post abaixo, a mais de um interlocutor que, se uma tolice como essa prosperasse, ele vetaria. Mas é bem provável que nesta segunda, ou até antes, deixe ainda mais evidente a posição do governo por sua própria voz, falando diretamente. Acho que é o prudente. Aqui e ali tentam colar no Planalto essa patuscada: “Ah, só poderia seguir adiante com o aval do governo”.

E não! Isso nunca teve o aval do governo. Cumpre lembrar que o presidente é professor de direito constitucional. As pessoas podem gostar ou não gostar de Temer. Mas burro ele não é!

Também é preciso que Maia seja ainda mais claro, acho, dado o peso institucional do cargo. É preciso pôr uma pedra sobre esse assunto. Mais do que uma entrevista, acho necessário que haja um pronunciamento formal a respeito.

Protesto
Movimentos os mais diversos convocaram uma manifestação de rua para o dia 4 de dezembro contra a chamada anistia ao caixa dois — a tal anistia fantasma, a Anistia Inês de Castro, aquela que foi sem nunca ter sido… Sim, entre os que convocaram a manifestação, há grupos de boa-fé, que tiveram um papel central na mobilização em favor do impeachment. Mas já deu para perceber nas redes sociais que oportunistas de extrema direita e de extrema esquerda resolveram pegar carona no evento.

Em certos nichos radicalizados, há a avaliação de que se vive um clima muito parecido com 2013, e as circunstâncias conspirariam em favor de um crescente mal-estar, que poderia levar o governo à lona. Há quem pretenda que o dia 4 seja o início desse movimento. É bom lembrar de que a boa-fé é o alimento de que se nutre a má-fé.

Se a anistia está na raiz do protesto e se anistia não haverá — ATÉ PORQUE NUNCA HOUVE —, é o caso de se indagar se, ainda assim, haverá protesto. Se a resposta for “sim”, mantém-se, então, a data da consequência. Aí só será preciso arrumar uma causa.