Poucos poetas foram como Manoel de Barros

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 26/01/2015 15h45
***FOTO DE ARQUIVO - O poeta Manoel de Barros morreu nesta quinta-feira (13), aos 97 anos, no Proncor de Campo Grande*** Literatura: o escritor e poeta Manoel de Barros, que lança o livro "Poemas Rupestres" no hotel Mofarrej, em São Paulo (SP). (São Paulo, SP, 08.11.2004. Foto: Tuca Vieira/Folhapress. Digital)Manoel de Barros

Poucos poetas foram como Manoel de Barros, que morreu  fecentemente.

Poucos, mas poucos mesmo.

Nesta terra de tantas inversões de valores, pelo menos no que diz respeito à literatura, está muito dificil de  encontrar gente assim.

Por isso quero chamar a atenção para o livro “Poesia Completa”, de Manoel Barros, publicação da Editora Leya.

O livro foi lançado em 2013 na sua primeira edição. Mas com a morte do autor, voltou a ser procurqdo pelos leitores da boa poesia e vale a pena mesmo ter esse livro de 470 páginas com essa poesia brasilira de uma poeta brasileiro, que viveu sua vida literária de absoluta dignidade.

O leitor encontrará aqui toda a obra, desde seu primeiro livro, “Poemas concebidos sem pecado”, de 1937, até ” A turma”, de 2013.

Um livro primoroso em todos os sentidos desse poeta genial que costumava dizer que nasceu para administrar o à toa, o em vão e o inútil.