Protestos violentos na Ceagesp mostra que autoridades não sabem como resolver problema no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 17/03/2014 13h37

Nêumanne, esse protesto na Ceagesp, que resultou em incêndio, depredação, confrontos e tiros, por causa de um… contra um estacionamento pago revela alguma coisa importante sobre o Brasil de nossos dias?

É, um protesto contra a cobrança de estacionamento na Ceagesp terminou, na semana passada, com veículos e prédios incendiados, cancelas e cabines de cobrança depredadas e confrontos entre seguranças da companhia e manifestantes. Cinco pessoas foram feridas – uma delas foi baleada, por causa dos estragos no interposto mais importante de abastecimento de São Paulo, que passou o fim de semana fechado.

Bom, a Polícia Militar demorou duas horas… mais de duas horas para intervir nas depredações de manhã, de 10h da manhã. O presidente do Sindicato dos Usuários da Ceagesp – diante da constatação de que é um absurdo que um protesto contra pagamento de estacionamento, decidido há muito tempo, termine desse jeito – chegou a revelar que houve infiltração de bandidos.

Com infiltração de bandidos ou não, a verdade é que esse tipo de coisa está se tornando banal no Brasil porque, primeiro, as autoridades não sabem como resolver esse tipo de problema; não sabem o grau exato de usar o excesso de tolerância ou o excesso de truculência; e ou fica no meio termo – ou é tolerante demais, ou é truculente demais – e normalmente é ineficiente. Quer dizer, a polícia não é treinada para resolver esse tipo de conflito.

Parte-se de um pressuposto, assim, bizantino, de que toda manifestação é democrática. Não se discute manifestação por manifestação. Nesse caso, por exemplo, vamos convir que cobrança de estacionamento na Ceagesp não é um problema prioritário pra ser motivo de protesto no Brasil. E, como a polícia não age, como o governo não sabe o que fazer, a coisa sempre termina mal. Termina, no caso, terminou até com bala.

É preciso que os políticos que tomam conta do governo do Brasil em qualquer nível assumam a realidade brasileira, entendam-na e tenham solução para esse problema, antes que a situação perca o controle nessa banalização da manifestação pela manifestação e da violência depois da manifestação não pode continuar. E os responsáveis são as autoridades que não sabem como prevenir nem evitar isso.