Renúncia de Dilma não passa de boato

  • Por Jovem Pan
  • 22/08/2016 12h44
Dilma Rousseff - EFE

Houve um boato de que Dilma renunciaria. Um senador ligado à presidente afastada e um ex-assessor de seu gabinete garantem que isso não procede.

De fato, não faria muito sentido. Ela poderia ter feito esse gesto lá atrás. Não fez. Renunciar agora não sustaria necessariamente os efeitos de uma eventual condenação no julgamento final do Senado, que começa na quinta e deve se estender até semana que vem.

Além de Dilma ainda poder se tornar ficha-suja e inelegível, abrir mão do cargo tiraria o único discurso de Dilma que sobrou à essa altura do campeonato: a de vítima de golpe.

Dilma deve seguir seu roteiro, fazer suas explicações. O processo será longo e o Brasil deve acompanhá-lo como à reta final de uma novela que se prolonga há um bom tempo.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.