Republicanos e democratas parecem disputar liderança em países diferentes

  • Por Caio Blinder/ JP Nova Iorque
  • 22/01/2016 13h51
Montagem sobre fotos/EFE Hillary Clinton e Bernie Sanders (democratas)

Para dizer o óbvio, não falta lance bizarro na campanha eleitoral americana. E imaginem, o que mais pode surgir até 8 de novembro, dia da votação? Claro que falar em bizarro nos faz lembrar mecanicamente de Donald Trump, o bilionário bufão que prospera nas pesquisas insultando meio mundo ou, melhor dizendo, praticamente todo mundo.

No entanto, vou falar de outra esquisitice neste ciclo eleitoral americano. Digamos que um marciano pouse no planeta Estados Unidos e passe a acompanhar os debates que os candidatos republicanos e democratas travam nesta fase que antecede as eleições primárias dos dois partidos. E a votação começa em menos de duas semanas no estado de Iowa.

Este marciano terá a impressão de que democratas e republicanos não estão concorrendo uns contra os outros, mas pela liderança de países diferentes. Claro que há temas comuns tratados pelos dois partidões, mas impressiona não apenas a abordagem distinta, mas o contraste no estado de espírito.

Por exemplo, no mais recente debate dos democratas, no domingo passado, houve uma extensa discussão sobre a taxa de consumo de heroína nos Estados Unidos, assim como regulamentação em Wall Street e mudanças climáticas. Os temas foram ignorados no último debate dos republicanos. Aliás, os republicanos realmente vivem em outro planeta quando existe a conversa sobre aquecimento global. Tocam no assunto apenas para negar o problema, ridicularizar os democratas e os ambientalistas em geral.

Em contrapartida, os republicanos pegam pesado em temas largamente ignorados pelos democratas, como a competição econômica chinesa, imigração e radicalismo islâmico.

Em parte, este alinhamento de temas díspares se deve às escolhas de peguntas feitas pelos moderadores nos debates republicanos e democratas. Eles se mostram antenados nos interesses das bases partidárias, que nesta fase do ciclo eleitoral têm o tom dominado por setores mais radicais, de esquerda entre os democratas e de direita entre os republicanos.

E mesmo quando os candidatos tomam a iniciativa, fica flagrante a diferença nas agendas. Em geral, os democratas batem na tecla da economia, estagnação salarial e desigualdade de renda, enquanto o foco dos republicanos está em terrorismo e segurança nacional.

Em termos mais amplos, os republicanos expressam uma visão apocalíptica do cenário, enquanto os democratas acreditam que as coisas possam ser consertadas. Bem-vindos aos Estados Desunidos da América.