Reunião de Dilma com o Bom Senso não vai ajudar o futebol; entenda

  • Por Jovem Pan
  • 23/07/2014 20h59

Nêumanne, será que Dilma vai revolucionar o futebol brasileiro a ponto de nós ganharmos agora todas as Copas que disputarmos no futuro, a começar a da Rússia em 2018?

Meu amigo ouvinte da Jovem Pan, estou acostumado a ouvir platitudes e patetices, mas essa que eu vou lhes contar agora é impressionante.

A presidente Dilma Rousseff reuniu, na segunda-feira, dirigentes do grupo Bom Senso Futebol Clube, quatro ministros e durante três horas ouviu a colaboração deles para uma lei que vai regulamentar a questão das dívidas dos clubes de futebol.

Dilma começou a reunião, segundo o noticiário que li, perguntando “como é que a sétima economia do mundo não consegue ter um bom futebol? O que é que tem a ver a economia com o futebol? Nesse caso, o chinês deve estar se preparando pra comemorar a Copa na Rússia. A China tá se preparando para ser a primeira. E por que é que os EUA nunca ganharam uma Copa de Futebol? O Brasil já ganhou cinco, mesmo sendo um país dito emergente.

Mas, fora essa bobagem, as outras bobagens são piores. O tal do Zé Nascimento, que é o secretário de Futebol do Ministério do Esporte, disse que estão dizendo que é oportunismo quando, na verdade, é patriotismo.

Ora, vamos começar pelo começo. O Bom Senso Futebol é bonito, deve ter belas intenções, mas não significa nada no universo do futebol. O futebol é o negócio mais bem sucedido, pra quem ganha e pra quem perde, da atividade esportiva do capitalismo internacional hoje e o Bom Senso Futebol Clube é um movimento de jogador querendo melhores condições de trabalho, o que não interessa a ninguém, a não ser as suas famílias e as torcidas dos seus clubes.

Não havia na reunião de segunda-feira com Dilma nenhum futebolista realmente importante – um técnico, um jogador, um dirigente, alguém de um clube de uma confederação da própria FIFA. Só gente bem intencionada e a reunião só podia dar em nada. Tudo que os jogadores do Bom Senso tinham a pedir é que a presidente colocasse na lei que os direitos trabalhistas deveriam ser pagos antes dos outros na hora dos clubes pagarem as dívidas.

Se alguém me disser como isso vai melhorar o futebol, o péssimo futebol que vem sendo jogado no Brasil, inclusive a Seleção, eu dou a minha mão à palmatória.

O secretário do Futebol está certo quando diz que não é oportunismo. Oportunismo não pode ser porque todo mundo tá querendo esquecer essa derrota de sete a um pra Alemanha, a derrota pra Holanda de três a zero, e fica a Dilma lembrando a toda hora o fato de ela ter apostado tudo nessa vitória e o fato da Seleção ter cumprido o pior desempenho de todos os tempos – em cem anos, nunca tinha levado uma goleada dessa.

Ah, já tava na hora de alguém, pelo menos com juízo, que fosse oportunista de verdade, pedisse pra ela deixar de dar palpite, de inferir num assunto que ela não entende.