Temer não quer largar o osso e nos preparamos para mais um calvário

  • Por Jovem Pan
  • 31/05/2017 11h56

Vice-presidente Michel Temer (esq.) e Dilma Rousseff

Vice-presidente Michel Temer (esq.) e Dilma Rousseff - EFE

Vamos entrar em mais uma caminhada difícil, mais uma estação do calvário à brasileira.

A primeira foi a do impeachment de Dilma Rousseff, demorado, que se arrastou por meses em que se discutia a legitimidade de Dilma. Enquanto isso, com a incerteza do futuro, a nossa economia afundava, o desemprego aumentava e havia um colapso dos serviços públicos. Enfim, a vida do brasileiro piorou muito.

Uma vez votado o impeachment do poste lulista, achávamos que viria um período de alguma tranquilidade, a famosa travessia da “pinguela”.

Mas o constrangedor encontro de Temer com Joesley Batista na calada da noite no Palácio deixou o pai de Michelzinho sem nenhuma credibilidade para continuar no Planalto. Mas Michel Temer não quer largar o osso. Mesmo porque morre de medo de ser preso.

E vai criando, assim, todo tipo de subterfúgio para continuar usando a faixa presidencial. E lá vamos nós para a segunda estação do nosso calvário: mais incerteza e mais recessão.