Terça-feira magra está recheada de emoções nas prévias americanas

  • Por Jovem Pan - Nova Iorque
  • 09/02/2016 07h34
Montagem sobre fotos/EFE Bernie Sanders e Donald Trump

Esta terça-feira não é exatamente uma terça-feira gorda no desfile das prévias presidenciais americanas. Apenas um estado em jogo, a pequena Nova Hampshire. Terça-feira gorda realmente em março, duas vezes, quando pilhas de disputas terão lugar entre republicanos e democratas para a escolha dos seus respectivos candidatos para o grande duelo de 8 de novembro.

Mas esta terça-feira magra está recheada de emoções em Nova Hampshire. Isto porque as primeiras disputas na corrida são carregadas de simbolismo como na semana passada em outro pequeno estado, Iowa. Do lado republicano, levou o senador Ted Cruz e não como projetavam as pesquisas o bilionário bufão Donald Trump. Do lado democrata, foi um empate, mas formalmente a ex-primeira-dama Hillary Clinton venceu o senador radical de esquerda Bernie Sanders.

Institutos de pesquisas projetam vitórias tranquilas de Trump e de Bernie Sanders nesta terça-feira. Se houver uma reversão, será um vexame para os institutos. Sanders ganhará em Nova Hampshire pois entusiasma mais o eleitorado do que Hillary e também por ser senador de Vermont, estado vizinho. No entanto, Hillary poderá de certa forma cantar vitória caso a margem de vitória de Sanders seja de um dígito.

O que fica flagrante é a falta de ginga de Hillary para a campanha. Ele carece do talento de Barack Obama ou do maridão Bill. Não é à toa que o ex-presidente está bem ativo na campanha, apesar da aparência envelhecida. Bill bate na tecla sobre as propostas radicais e irrealistas de Bernie Sanders. Concordo com o Bill.

Do lado republicano, é vital um triunfo para Donald Trump, com sua pose demagógica e carência de propostas concretas. As grandes emoções estão reservadas na disputa pelo segundo lugar. Ted Cruz, um campeão dos evangélicos, está mal colocado em Nova Hampshire, um estado de conservadores menos religiosos do que Iowa.

A guerra está feroz entre Marco Rubio, o senador da Flórida, visto como um Obama republicano pela juventude e capacidade de mobilizar o partido depois da guerra civil, e a trinca dos governadores, o ex da Flórida, Jeb Bush, e os atuais de Nova Jersey, Chris Cristie, e de Ohio, John Kasich. Os três são os chamados republicanos normais, ou seja, vistos como menos radicais do que os demais competidores.

O desfile republicano em Nova Hampshire provavelmente deve resultar na eliminação de mais candidatos, como na semana passada. Trump, Cruz e Rubio seguramente avançam para as prévias seguintes. Não há espaço na avenida para tantos outros blocos. Depois desta terça-feira gorda, tudo deve ficar mais enxuto entre os republicanos.