“Todos os pronunciamentos oficiais de Dilma Rousseff são eleitoreiros”

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2014 14h43

Reinaldo Azevedo comenta o pronunciamento de quarta-feira, em que Dilma anunciou um reajuste de 10% na Bolsa-Família e de 4,5% na tabela do Imposto de Renda. “Todas as providências foram tomadas para que Dilma parecesse e aparecesse bem e altaneira, mas não pareceu e nem apareceu”, diz o comentarista Jovem Pan.

“O fato é que transmitiu a impressão de cansaço, mostrou-se algo desenxabida e meio brava, a coisa vinha do fundo dos olhos, reforçada por um discurso meio infeliz”, avalia.

Sobre o discurso em si, Reinaldo o avalia com o ditado em latim: “Lupus pilum mutat, non mentem”, que significa “o lobo muda de pelo, mas não de caráter (ou de vício)”, em relação ao vício de fazer de todos seus discursos uma fala eleitoreira, na perspectiva de Reinaldo.

O jornalista lembra o pré-anúncio da redução da tarifa de energia elétrica em 2012, ano eleitoral, coisa que só aconteceria no ano seguinte, em 2013. Porém, naquela época, “Dilma navegava nas alturas”, e a maioria apostava na continuidade dos governos estabelecidos. “Logo, tudo era festa”.

“João Santana cometeu a imprudência de não mudar o tom, de manter o conteúdo ufanista”, diz Reinaldo. “O pronunciamento continua sendo eleitoreiro, mas num momento em que sabidamente a presidente não vai bem”, calcula o comentarista político.

“Dilma disse inconveniências e, mais que isso, ilegalidades mesmo”, afirma.

Reinaldo cita e comenta trechos do discurso de Dilma (que pode ser assistido acima). A presidente da República diz: “Nosso governo tem o signo da mudança e, junto com vocês, vamos continuar fazendo todas as mudanças que forem necessárias para melhorar a vida dos brasileiros”. “É claro que isso caracteriza campanha eleitoral antecipada e, reitero, ilegal”, afirma Reinaldo.

Em outro trecho, Dilma proclama: “Não podemos aceitar o uso político da inflação por aqueles que defendem o quanto pior melhor”. “Reduzir as críticas da oposição a essa antítese boçal é desrespeitar a democracia”, diz o analista Jovem Pan. Sobre o argumento da presidente e presidenciável de ter mantido o índice econômico estável nos últimos anos, Reinaldo fala que a inflação está muito próximo à meta e lembra da importância do Plano Real da década de 1990 para uma inflação controlada.

“A exemplo dos lobos, eles não sabem ser de outro jeito”, conclui Reinaldo. “Antigamente, Dilma dizia essas coisas e tinha à sua frente uma esmagadora maioria que apostava na continuidade; hoje, dizem as pesquisas, a maioria aposta em mudanças”, diz.

Ouça o comentário completo no áudio acima, em que Reinaldo também avalia a eficácia eleitoral das medidas anunciadas: tanto do aumento do Bolsa-Família, quanto da correção da tabela do Imposto de Renda, algo que costuma ser divulgado no fim do ano, mas foi feito no dia final do prazo para enviar a declaração.