Toffoli nega pressão para salvar Renan, mas gera desconforto em colegas de STF

  • Por Jovem Pan
  • 04/11/2016 12h46
Ministro Dias Toffoli durante sessão do STF

O Supremo Tribunal Federal adiou o julgamento que decide sobre se réus podem ou não ocupar cargos da linha sucessória da Presidência da República. o ministro Dias Toffoli pediu vistas da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) impetrada pela Rede Sustentabilidade.

Segundo pessoas próximas a Toffoli, ele nega que tenha cedido pressões e sugestões do governo para proteger Renan Calheiros, presidente do Senado que tem oito inquéritos contra si e pode se tornar réu a qualquer momento.

Para o ministro que adiou a decisão final da Corte, não haveria caso concreto a ser analisado, uma vez que uma ADPF pressupõe que algum preceito tenha sido descumprido. O caso inicial, que motivou a ação da Rede, seria com Eduardo Cunha, que já perdeu o mandato de deputado. 

Além disso, Toffoli justifica tecnicamente que queria analisar a extensão dos votos dos colegas: se o presidente da Câmara ou do Senado não poderia apenas assumir a presidência da República ou teria de deixar o cargo que tenha esse potencial.

O não-voto de Toffoli, no entanto, desconforto entre colegas de STF. Um deles desabafou e disse que a posição de Toffoli colocou uma suspeita sobre a cabeça de todos. Os ministros estariam sendo alvo de ação do Planalto, que queria justamente o adiamento do julgamento.

As informações são da colunista Jovem Pan Vera Magalhães.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.