Tratamento com dois hormônios apresenta melhor resultado contra câncer de próstata

  • Por Jovem Pan
  • 06/06/2017 14h16
Bigode azul em referência ao novembro azul

Duas das maiores novidades do congresso americano de oncologia se referem ao câncer de próstata e ao câncer de bexiga. O câncer de próstata avançado é tratado geralmente só com tratamento hormonal, que diminui o nível da testosterona e é responsável por ser o alimento principal da célula maligna prostática. Em alguns casos, associa-se a quimioterapia também, com efeitos sentidos por todos.

Dois estudos, um inglês e outro de vários países, mostraram de modo muito claro que um segundo hormônio, chamado abiraterona, que também inibe a produção de metabólicos para a testosterona além do tratamento que diminui o nível da testosterona, foi melhor que só um tratamento hormonal, ou seja, aquele que só diminuía o nível da testosterona.

Esses dois estudos mostraram uma redução do risco de morte em quase 40% na abiraterona mais o tratamento que diminui a testosterona versus só o tratamento que diminui a testosterona.

Além disso, o maior estudo, chamado latitude, com mais de 1.200 pacientes, mostrou que essa combinação retardou o início do começo de uma quimioterapia no futuro, o início de sintomas ósseos e de uma piora clínica do paciente.

Acontece em Chicago (EUA) o Asco Annual Meeting 2017, o encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (American Society of Clinical Oncology), o evento mais importante da área no mundo e que reúne mais de 30 mil oncologistas. Entre eles, Fernando Cotait Maluf, fundador do Instituto Vencer o Câncer e coordenador da Oncologia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.