Vídeos da Odebrecht acabam com lenga-lenga de Lula

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2017 08h15
BRA104. SAO PAULO (BRASIL), 15/03/2017.- El expresidente brasileño Luiz Inacio Lula da Silva ofrece un discurso durante una manifestación contra la reforma al régimen de jubilaciones propuesta por el presidente Michel Temer hoy, miércoles 15 de marzo de 2017, en Sao Paulo (Brasil). Cientos de miles de brasileños se manifestaron hoy en ciudades del país contra la reforma al régimen de jubilaciones propuesta por el presidente Michel Temer, quien salió en defensa de la iniciativa y dijo que busca evitar un "colapso". EFE/Fernando Bizerra Jr. EFE/Fernando Bizerra Jr. Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa durante ato contra a Reforma da Previdência na Av. Paulista

Nesta quarta-feira, o ex-presidente Lula descobriu, como escreveu o poeta T.S. Eliot, que abril é o mais cruel dos meses. Será, pelo menos para Lula.

A divulgação dos vídeos com depoimentos de executivos da Odebrecht revogou a lenga-lenga recitada pelo ex-presidente há pelo menos dois anos. Nesse período, Lula repetiu que não sabia do que estava sendo acusado e que ninguém apresentava nenhuma prova de irregularidades que o envolvessem.

Essa dúvida acabou.

Os depoimentos dos executivos da Odebrecht mostram que Lula ganhou muito dinheiro de propina da empreiteira para simular palestras, para conseguir financiamentos do BNDES que bancassem obras da empreiteira na África, que um dos irmãos de Lula ganhou mesada da empreiteira, um dos filhos de Lula foi abastecido com dinheiro sujo, que a empreiteira pagou as obras do sítio em Atibaia, que a empreiteira bancou também reformas no tríplex do Guarujá.

Enfim, começaram a aparecer, com toda a sua hedionda clareza, os crimes em que Lula se envolveu.

A partir de agora ele deve encerrar a conversa fiada de tanto tempo e se concentrar na busca de pretextos, desculpas ou álibis que lhe permitam conversar sem ficar ruborizado com o juiz Sergio Moro no encontro marcado para 3 de maio.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.