‘Crime de Daniel Silveira é não ser de esquerda’, diz Constantino sobre prisão do deputado

Durante participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, comentarista criticou a prisão do deputado federal, questionando a legalidade do ato

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2021 18h13 - Atualizado em 17/02/2021 19h25
Jovem PanRodrigo Constantino comentou prisão de Daniel Silveira

Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade manter a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), detido na noite de terça-feira, 16, em sua casa em Petrópolis, no Rio de Janeiro, por um pedido do ministro do Alexandre de Moraes. A decisão foi tomada na tarde desta quarta-feira, 17. A prisão foi decretada após o parlamentar ter publicado um vídeo em suas redes sociais fazendo ataques aos ministros da Corte, em especial ao ministro Edson Fachin, que criticou a interferência de militares no Poder Judiciário. Em seu voto, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que as manifestações de Daniel Silveira são “gravíssimas”. “O autor das condutas é reiterante nessa prática criminosa, pois está desde o ano passado sendo investigado inquérito policial nessa corte e em outro inquérito, instaurado a pedido da Procuradoria-Geral da República, por ter se associado com o intuito de modificar o regime vigente e o Estado de Direito, através de estruturas de financiamentos destinados à mobilização e incitação da população à subversão da ordem política e social”, disse o ministro da Corte.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o comentarista Rodrigo Constantino questionou comemorações sobre a prisão do deputado, afirmando que defensores de regimes políticos como o da Venezuela não são questionados ou criticados. “Qual o critério que eles estão usando? ‘O parlamentar usou a imunidade para defender o AI-5’, isso não pode. Então eu pergunto: Pode defender ditaduras como Cuba e Venezuela? Pode defender o comunismo, que é antidemocrático na sua essência e prega a ditadura do proletariado? Pelo visto, o crime do deputado Daniel Silveira é não ser de esquerda”, disse o comentarista, que chamou a prisão de “arbitrária”, questionando sua legalidade. “Tudo nesse caso é absurdo e lamentável. Inventaram mais um ‘triângulo quadrado’, que é a prisão em flagrante com mandado. Ou é em flagrante e você tem o delito que acabou de ser cometido ou tem o mandado. Não pode ter o mandado para algo em flagrante. Tudo isso é muito estranho. Como é estranho, e eu diria ilegal, o que vem fazendo esse Supremo Tribunal Federal há algum tempo. Desprezo pelas instituições, como disse o ministro Alexandre de Moraes, demonstram ter os ministros do STF na minha opinião”, afirmou Constantino, que continuou, dizendo que o inquérito das fake news, instaurado pelo STF em 2019, deu início à perseguição aos bolsonaristas e é ilegal. “Prisão arbitrária, ilegal. É o entulho da ditadura que foi utilizado que é a lei de segurança nacional. O inquérito das fake news que deu ensejo à essa perseguição aos bolsonaristas é todo ilegal”, concluiu o comentarista.

Em seguida, Constantino disse que a fala de Silveira  é “condenável”, mas disse que a imunidade parlamentar permite que o deputado faça tais declarações. “A fala em si do deputado me parece uma fala abominável, condenável. Mas isso não deveria importar. Não é disso que se trata. A imunidade parlamentar dá sim direito a ele (Silveira) falar essas coisas. Ou teremos um critério objetivo e isonômico que vai levar muita gente para cadeia. Não pode parar nele.” Por fim, ele questionou por que ataques à figura do presidente Jair Bolsonaro não se encaixam na lei de segurança nacional e são punidos como nos ataques ao STF. “Se atacar ministros do STF é atacar o STF como instituição, que é o tipo de blindagem que eles têm utilizado desde o início. Eu quero saber se isso vale para a Presidência da República. Porque nós temos ai ataques de todo tipo ao presidente e fica por isso mesmo. Pode desejar abertamente a morte do presidente, esfregar seu rosto no asfalto quente e isso não parecer ser encaixado na lei de segurança nacional”, concluiu.

Confira a edição do programa 3 em 1 desta quarta-feira, 17: