Acusado de matar menino Joaquim, ex-padrasto está foragido da Justiça

  • Por Jovem Pan
  • 26/09/2016 07h17
Joaquim Ponte Marques

O técnico em informática Guilherme Raymo Longo, acusado de matar o menino Joaquim Ponte Marques, em 2013, está foragido da Justiça.

O ex-padrasto do garoto, que vive em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, estava em liberdade provisória, mas desapareceu na noite da última sexta-feira (23).

Ele teria deixado uma carta aos familiares, informando que fugiria, mas não disse para onde pretendia ir.

Guilherme é acusado de matar o garoto Joaquim, em novembro de 2013, após injetar altas doses de insulina na criança. Após o crime, ele teria atirado o corpo em um córrego.

Guilherme Longo foi indiciado por homicídio triplamente qualificado e estava preso em Tremembé, no interior paulista, desde janeiro de 2014.

Em fevereiro deste ano, Guilherme conseguiu um habeas corpus, deixou a cadeia e voltou a morar na casa dos pais, de onde não pode sair sem autorização judicial.

A mãe de Joaquim, Natália Mignone Ponte, que foi presa na época, também foi solta e atualmente responde ao processo em liberdade. Ela é acusada de omissão em relação à segurança do filho, por saber que o companheiro tinha comportamento agressivo.

A polícia de Ribeirão Preto deve retomar as buscas a Guilherme Longo ainda nesta segunda-feira (26).

*Informações do repórter Vitor Brown