Aécio e Bolsonaro lideram a preferência dos manifestantes em SP; veja o perfil

  • Por Jovem Pan
  • 14/03/2016 08h33
São Paulo - Manifestação na Avenida Paulista, região central da capital, contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Rovena Rosa/Agência Brasil)Avenida Paulista recebe ato contra o governo neste domingo (13)

O Instituto Paraná Pesquisas realizou um trabalho para traçar o perfil político dos manifestantes que foram à Avenida Paulista neste domingo (13) e dimensionar o impacto da crise econômica em suas vidas. O levantamento, obtido em primeira mão pela Jovem Pan, foi colhido durante o maior ato político realizado na história da capital, com 1,4 milhão de pessoas segundo a Polícia Militar, 500 mil participantes de acordo com o Datafolha.

O questionário foi aplicado a 1.200 pessoas com mais de 16 anos entre às 12h30 e 18h. O diretor do Instituto, Murilo Hidalgo, explica que 56% das entrevistas foram feitas com homens e 44% com mulheres. Destaca-se que 62% disseram que estavam pela primeira vez em um protesto político. A maioria dos entrevistados afirma ganhar entre 5 e 10 salários mínimos e dizem ter Ensino Superior. A faixa etária com maior prevalência entre os manifestantes da Paulista está entre 45 e 59 anos, com boa presença também de adultos entre 26 a 34 anos. (veja mais detalhes do perfil dos entrevistados ao final do texto).

Eleições hoje – cenário 1 (com Aécio)

A primeira pergunta estimou três cenários para eleições para a presidência da República, se elas fossem hoje.

No primeiro panorama, Aécio Neves, Jair Bolsonaro e Marina Silva lideram o ranking, mas o número de pessoas que não escolheu nenhum dos possíveis candidatos também é bastante relevante:

Eleições hoje – cenário 2 (com Alckmin)

No segundo levantamento, é realizada a troca de Aécio Neves por Geraldo Alckmin, revelando uma queda do governador paulista em relação ao senador mineiro:

Eleições hoje – cenário 2 (com Serra)

Já na terceira hipótese, é considerado José Serra como candidato do PSDB.

Em quem votou em 2014

Os entrevistados foram questionados em quem eles votaram no segundo turno nas eleições presidências de 2014. A oposição teve maioria:

Votar no PT

Porém, boa parte dos entrevistados alegou que já votou em algum petista nos últimos 10 anos:

Avaliação de Dilma

A atuação da presidente Dilma Rousseff também foi avaliada, revelando grande insatisfação por grande parte das manifestantes:

Como Dilma deixa o governo

Os entrevistados também foram questionados se acreditavam que a presidente terminaria o seu mandato, e caso, não terminasse, qual seria a forma de afastamento:

Dilma deve renunciar?

A maioria dos entrevistados defendeu que Dilma Rousseff deveria renunciar ao cargo:

Quando o Brasil melhora se Dilma sair?

Outra questão indagava qual o prazo esperado para o a situação no Brasil melhorar, considerando a saída da presidente:

Desemprego

A maior parte dos entrevistados afirmou que perdeu o emprego ou conhece alguém que perdeu nos últimos 6 meses:

Crise econômica

Os entrevistados também alegam uma piora na situação econômica familiar:

Coerência de Sérgio Moro

A atuação do juiz Sérgio Moro também foi analisada, revelando que boa parte dos entrevistados aprovam a forma que a Lava Jato vem sendo conduzida:

Oposição “omissa”

A oposição foi criticada e considerada como “omissa” pela maior parte dos candidatos:

Não é só o PT

Sobre os escândalos da Petrobras, os entrevistados acreditam que outros partidos além do PT estão envolvidos:

Lula preso?

Sobre as investigações relacionadas ao ex-presidente Lula, os entrevistados acreditam que o resultado será a prisão do ex-chefe de Estado:

Primeira vez em protestos

Foi levantado que a maioria dos entrevistados já tinha participado de outras manifestações:

O que te levou à rua?

A principal causa que levou as pessoas à rua foi o repúdio à corrupção:

Ditadura?

Ao serem questionados sobre a volta de uma ditadura militar, a maior parte dos entrevistados se posicionou contra a volta do regime:

Intervenção militar “provisória”?

Porém, o número sobe quando questionados sobre a validade de uma intervenção militar provisória:

Perfil dos manifestantes