AGU cobra R$ 1,6 mi de centrais sindicais por estragos nas manifestações do dia 24

  • Por Jovem Pan
  • 01/06/2017 07h05
BRA203. BRASILIA (BRASIL), 21/05/2017.- Manifestantes se enfrentan con la policía antimotines hoy, miércoles 24 de mayo de 2017, en la Explanada de los Ministerios, en Brasilia (Brasil). La entrada al Ministerio de Agricultura en Brasilia fue atacada hoy con bombas molotov por manifestantes que exigían la renuncia del presidente Michel Temer, en una protesta que comenzó en forma pacífica pero derivó en hechos de violencia. EFE/Joédson AlvesManifestante arremessa contra policiais com estilingue em confronto na esplanada dos ministérios em frente ao Congresso Nacional

A Advocacia-Geral da União entrou com um pedido para cobrar da Centrais Sindicais e de movimentos como o MST pelos estragos feitos na Esplanada dos Ministérios nas manifestações do dia 24 de maio.

A ação cobra R$ 1,6 milhão dessas entidades pelos danos ao Ministério da Agricultura. A quantia abrange não só os danos materiais ao prédio e às salas e corredores, como também o prejuízo com a interrupção das atividades no local no dia seguinte.

Além disso, servidores não conseguiram chegar à Esplanada no dia dos protestos.

Esse deve ser apenas o primeiro pedido feito pela AGU, já que outros ministérios, como o da Cultura, Educação e Meio Ambiente, também foram atingidos.

A AGU disse que se baseou em fotos e reportagens jornalísticas que mostram pessoas com camisetas dessas organizações praticando atos de vandalismo, como depredações e incêndios.

De acordo com o órgão, os atos de violência começaram após um grupo de manifestantes tentar romper a barreira policial. O montante pode ser cobrado de centrais como a CUT e a Força Sindical, além do MST e do MTST. O caso vai ser julgado pela Justiça Federal do Distrito Federal.

*Informações do repórter Levy Guimarães