Alckmin garante punição exemplar para membros do “mensalão” da Polícia Civil

  • Por Jovem Pan
  • 22/12/2015 13h02
Polícia Civil

 Denúncia de cobrança de propina derrubou cúpula da corregedoria da Polícia Civil paulista. A investigação do Ministério Público estadual levou à descoberta do esquema de blindagem no órgão. As apurações indicam que membros do órgão fiscalizador da corporação arrecadavam até R$ 50 mil por mês para proteger policiais corruptos.

O governador Geraldo Alckmin garante a Tiago Muniz que haverá uma punição exemplar aos responsáveis: “Os policiais envolvidos, todos eles, responderão ao processo e, se for confirmado, serão expulsos da polícia e responderão civil e criminalmente”.

O novo corregedor da polícia civil é Domingos Paulo Neto, que substitui Nestor Sampaio Penteado Filho. Apesar disso, o secretário de segurança, Alexandre de Moraes, diz a Helen Braun que não há denúncias que envolvam diretamente Penteado Filho: “Não há indicio em relação ao corregedor atual, o Nestor, mas entendi que não é razoável que o próprio corregedor, que comandava essa equipe, investigue membros da sua própria equipe, que vem trabalhando com ele há três anos”.

Além de Penteado Filho, devem ser afastados outros seis funcionários da Corregedoria e o chefe dos investigadores do Deic, Sílvio Toyama. Uma das provas do MP é um vídeo no qual é possível observar dois policiais suspeitos tendo a fuga facilitada por agentes dentro do Departamento.