Além dos pacientes, médicos também são prejudicados com a crise da Unimed

  • Por Jovem Pan
  • 19/10/2015 08h32
SÃO PAULO, SP, 03.09.2015: SAUDE-UNIMED - Movimentação no Hospital filiado a Unimed paulistana Santa Helena na rua São Joaquim no centro da Capital nesta quinta-feira (03). (Foto: Dario Oliveira/Código19/Folhapress)Hospital filiado à Unimed em São Paulo

 Além de todo o prejuízo causado para os pacientes, os médicos cooperados da Unimed Paulistana também enfrentam dificuldades financeiras e uma série de incertezas relacionadas ao futuro da organização. No começo de setembro, a Agência Nacional de Saúde determinou que os 740 mil clientes fossem transferidos para outras operadoras, diante dos problemas administrativos e assistenciais. Desde então, os profissionais perderam pacientes e aqueles que faziam atendimento quase exclusivo à Unimed, fecharam consultórios.

O cirurgião Lourenilson José de Souza teve perdas mensais da ordem de R$ 15.000,00 e também cogita fechar seu consultório: “Eu deixei de dar plantões e os clientes praticamente desapareceram do consultório. Estamos esperando essa mudança para ver se o movimento retorna. Se não voltar, vamos ter que pensar em fechar o consultório”. Uma assembleia marcada para o próximo sábado (24/10) prevê a votação de proposta da diretoria executiva para a alteração do tipo societário.

A oftalmologista Ana Regina Cruz Vlanich afirma que a situação é muito ruim e que são fornecidas poucas informações sobre o que de fato pode acontecer: “O que nós estamos passando agora é um desespero total, quando você está no meio do jogo e não entende o que está acontecendo. Não tivemos informações precisas sobre isso, a diretoria informa que serão feitas reuniões, mas teremos um prazo muito curto, de apenas 5 dias, para tentar entender o que será essa mudança do tipo societário”.

A advogada Rosana Chiavassa diz que não existem impedimentos legais para a mudança de tipo societário, mas que a situação chama a atenção. Especializada em planos de saúde, ela alerta para a possibilidade de que os cooperados podem, em último caso, ter os bens bloqueados: “A dívida da Unimed Paulistana é impagável, o mercado fala até em bilhão. Temos falado com alguns médicos cooperados e eles estão desesperados também com medo de perder tudo o que eles têm”.

Uma auditoria contratada pela atual administração da cooperativa indicou que os problemas financeiros da empresa foram causados por má gestão. A operadora já vinha enfrentando dificuldades desde 2009, quando a Agência Nacional de Saúde começou a intervir na empresa.