“Amor à Vida”: Torcemos pelo beijo gay e tivemos uma linda lição sobre o amor

  • Por José Armando Vannucci / Jovem Pan
  • 03/02/2014 09h59

Personagens se beijam no último capítulo da novela

Beijo Felix e Niko

Foi um final de novela surpreendente com o aguardado beijo gay masculino e uma lição sobre a importância do amor, tolerância e respeito à diversidade. A cena final com Félix e César de mãos dadas após o pai reconhecer que amava o filho justificou o título da novela de Walcyr Carrasco, que inicialmente pensou em chamá-la de “Em Nome do Pai”. O momento final de Antonio Fagundes e Mateus Solano emocionou quem estava em casa e mostrou que os desvios de caráter de Félix aconteceram a partir do sentimento de rejeição de quem ele amava.

O último capítulo de “Amor à Vida” finalmente exibiu o tão aguardado beijo gay masculino, algo inédito para a dramaturgia brasileira e que só foi possível pela habilidade de Walcyr Carrasco ao abordar a questão da homossexualidade, incluindo todos os preconceitos. Nas últimas semanas, o público passou a torcer por Niko e Félix porque só o amor foi capaz de mudar o vilão. O beijo foi delicado, natural, mais que um selinho. Foi no tamanho certo para mostrar a intensidade do relacionamento do casal. À princípio, foi aceito pelo público, que acompanhou a cena com muita naturalidade. O beijo de Félix e Niko é um avanço na televisão e mostra que o telespectador está muito mais aberto aos temas que eram considerados tabus.

O último capítulo de “Amor à Vida” caprichou nos casamentos (e até nos quase casamentos) porque parece que este é o melhor final feliz para quem se comportou na novela. Walcyr Carrasco aproveitou a renovação de votos de Bruno e Paloma para mostrar quem ficou com quem e eletrocutou a vilã Aline. Aliás, “Amor à Vida” será um marco na carreira de Vanessa Giaccomo, que acaba de entrar para um patamar especial do elenco da Globo.

Os números ainda são preliminares e indicam que o último capítulo de “Amor à Vida” terminou com 47 pontos de média.