“Ao que tudo indica, aeronave não tinha autonomia suficiente”, diz especialista

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2016 09h16
Imagens do local do acidente que vitimou a equipe da ChapecoenseVeja imagens da região do acidente com avião da Chapecoense

Com o fim das buscas e o resgate da caixa preta do avião em que estavam a equipe da Chapecoense, jornalistas e convidados, além de tripulação, o foco passa para a investigação da possível causa do acidente.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, o professor de Direito Aeronáutico e especialista em acidentes aéreos, Daniel Calazans, disse que, “ao que tudo indica, que a aeronave não possuía autonomia suficiente para realizar o voo”.

“Em qualquer voo tem que ter uma autonomia padrão. Tem que ter combustível para rota alternativa e mais combustível extra para espera. Nesse tipo de voo, a aeronave não deveria ter feito voo direto, mas um voo mais curto (…) O piloto fez o voo com o combustível certíssimo [para o trajeto SP – Santa Cruz de La Sierra] e não deu”, explicou.

Para Daniel Calazans, a informação – ainda não oficial – de que o avião teve que esperar no ar enquanto outra aeronave teve prioridade de pouso, pode explicar a tragédia.

“Temos essa informação adicional, ainda não confirmada oficialmente. O quebra-cabeça não fecha, está faltando peça. Uma delas é essa. Caminha para a tese de falta de combustível”, crê o especialista.

Calazans reafirmou que a aeronave trabalhava em autonomia máxima, com combustível contado para o trajeto do voo. “Tudo indica que o piloto declarou falha no sistema elétrico, mas não era isso. Era falta de combustível. Os motores pararam e não forneceram energia. A falha elétrica deu-se pelo exaurimento do combustível”, disse.

Sobre a investigação, agora com a caixa-preta recuperada, o especialista disse crer que não leve anos. “Com a abertura não se levaria muito tempo para ver a linha da investigação. Mas em meses teremos informações contundentes. pode durar meses, até um ano. Mas não acho que seja complexo assim, no sentido de levar anos”, finalizou.

Confira a entrevista completa: