Aperfeiçoamento de tecnologias contribuem para o desemprego, diz diretor da OMC

  • Por Jovem Pan
  • 02/02/2017 10h58
03/05/2004 angra dos reis rj estaleiro bras fels . verolme foto antonio pinheiro GERJ Indústria

Diante do cenário colocado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ser contra a globalização e com seus questionamentos em relação ao México e revisão de acordos, muito se discute sobre a economia mundial.

Em entrevista a Denise Campos de Toledo, o diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), Roberto Azevedo, afirmou que é difícil prever o que poderia acontecer, mas que as medidas pontuais de Trump dão uma noção de como isso se traduz em termos de política comercial.

“A reclamação do governo americano tem a ver com a relação com o comércio desleal. A OMC tem vários instrumentos que permitem que o país trate essas questões. Outra área que se ouve reclamação é com relação a administrações anteriores”, disse.

Mas isso não ale apenas para os Estados Unidos. Para Azevedo, a discussão deve ser observada com atenção e preocupação.

Ainda na questão da globalização, muito se discute sobre o desemprego. O diretor da OMC destaca que o emprego é peça central e ressaltou que, em algumas situações, a falta de vagas de trabalho está associada a questões como imigração, comércio e aperfeiçoamento de tecnologias.

“Em algumas situações o emprego está mais associado com a questão das imigrações. Isso é uma questão. Tem a questão do comércio, importação barata como instrumento para criar desemprego. Na realidade, os nossos estudos têm demonstrado que embora o comércio seja parte da equação, o real elemento de provocação de desemprego é o aperfeiçoamento de tecnologias. É o aumento da produtividade, e isso não tem nada a ver com comércio e imigração. São computadores”, disse.