Atraso na liberação do crédito agrícola atrapalha produtores

  • Por Jovem Pan
  • 29/02/2016 11h58
CASCAVEL/PR - 16-02-2011 - Colheita e plantação de soja no interior de Cascavel. Foto Jonas OliveiraPlantação de Soja

 O atraso na liberação do crédito agrícola para produtores no segundo semestre de 2015 prejudicou a atual colheita de soja. Agricultores da região do Alto do Araguaia, no Mato Grosso, reclamam da falta planejamento do governo federal.

Em entrevista a Mariana Grilli, o fazendeiro Pércio Luiz afirma que “o país vai para o buraco” por falta de políticas agrícolas organizadas. Para ele, a falta de chuva e a burocracia que o agricultor enfrenta transformaram 2016 em um ano atípico: “Tanto o agricultor quanto o granjeiro, em um ano ele ganha dinheiro e no outro tudo que ele ganhou é gasto, então não tem sustentabilidade o negócio, gera desemprego, gera falta de renda”.

O vice-presidente do Sindicato Rural do município de Querência, Osmar Frizzo, alega que o setor está inseguro com as políticas do governo. Ele defende que o impeachment da presidente Dilma Rousseff pode dar abertura a melhorias no agronegócio: “O agricultor fica com expectativas, mas as coisas não acontecem então dá intranquilidade e insegurança. Tem que mudar porque não está andando”.

Ao conversar com produtores durante o Rally da Safra, o engenheiro agrônomo Fábio Meneghin, que é coordenador de uma expedição pelas lavouras de soja e milho no Brasil, afirma que a burocracia é a principal reclamação: “Os produtores reclamam muito não da disponibilidade dos recursos, mas sim da burocracia de acesso a esse recurso providenciado pelos bancos públicos”.

Mesmo com as dificuldades na liberação de crédito e a seca que atingiu o centro-oeste, estima-se que o Brasil tenha outra safra recorde em 2016. Novas estimativas indicam produção de quase 102 milhões de toneladas de soja e 87 milhões de toneladas de milho.