Audiência sobre Uber na Câmara termina em bate-boca entre deputados e taxistas

  • Por Jovem Pan
  • 29/10/2015 14h30
SÃO PAULO, SP - 09.09.2015: UBER É PROIBIDO PELA CÂMARA DE SÃO PAULO - Após protesto em frente a câmara de São Paulo, foi decidido em votação que o aplicativo 'Uber' seja suspenso, o projeto agora segue para a prefeitura de São Paulo. (Foto: Bruno Fernandes /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 992394Aplicativo Uber

 O projeto que regulamenta o Uber em todo o país receberá parecer favorável de relator e pode ser aprovado em comissão no Senado. O texto de Ricardo Ferraço, do PMDB, foi analisado pelo senador José Antônio Reguffe, do PDT, que apresentará o texto na Comissão de Assuntos Econômicos.

A proposta, que pede a legalização do aplicativo, gerou controvérsia em audiência no Congresso sobre o funcionamento do serviço de caronas. Diante da possibilidade da regulamentação, o presidente do Sindicato dos Taxistas de São Paulo, Natalício Bezerra, criticou os parlamentares: “Isso não é uma afronta e um descaso aos taxistas do Brasil, isso é uma afronta às autoridades brasileiras. Um vendedor de pipoca que tem um carrinho na frente da porta de uma escola tem licença para trabalhar. Qualquer cidadão que tem um estabelecimento comercial tem que ter licença e pagar seus impostos.”.

O deputado federal que organizou a audiência pública rebate os taxistas e argumenta que o serviço prestado pelo Uber é aprovado pela população. Augusto Coutinho, do Solidariedade, alerta ainda para a indústria de alvarás de táxis nas grandes cidades: “Hoje, principalmente nos estados mais populosos como Rio de Janeiro e São Paulo, existe uma verdadeira indústria de placas de táxis, uma pessoa é dona de várias concessões públicas e isso é absurdo.”.

A audiência na Câmara terminou em bate-boca entre deputados e taxistas, que acusaram os parlamentares de serem comprados pelo aplicativo. O presidente da Abracomtaxi, Edmilson Americano, se exaltou quando disse que motoristas do Uber estavam ameaçando taxistas.

Os parlamentares querem a regulamentação nacional do aplicativo para que não haja discrepâncias no funcionamento em diferentes capitais. Procurado pela reportagem da Jovem Pan, o relator do projeto, o senador Reguffe, disse que só vai se pronunciar depois de entregar o relatório.