Brasil registra mais de 1,7 mil casos de microcefalia

  • Por Jovem Pan
  • 28/07/2016 11h16
Menina com microcefalia em Lagoa do CarroImagens de zika

Brasil registra mais de 1,7 mil casos de microcefalia segundo o informe semanal que reúne as informações encaminhadas pelas secretarias estaduais de Saúde.

O levantamento feito até 23 de julho revela ainda que outros 3.062 casos permanecem em investigação.

O boletim do Ministério da Saúde, aponta que foram confirmados 1.749 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita.

Desde o início das investigações, em outubro do ano passado, 8.703 casos foram notificados às autoridades. Destes, 3.892 foram descartados por apresentarem exames normais, ou por detectarem microcefalia e má-formação diagnosticadas por causas não infecciosas.

Do total de casos 272 tiveram confirmação por critério laboratorial específico para o vírus Zika.

O Ministério da Saúde, no entanto, ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

Os 1.749 casos confirmados em todo o Brasil ocorreram em 609 municípios, localizados em todas as unidades da federação e no Distrito Federal. No mesmo período, foram registrados 371 óbitos suspeitos de microcefalia ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação. Isso representa 4,3% do total de casos notificados.

A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

O Ministério orienta as gestantes a adotarem medidas que possam reduzir a presença do Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, mantendo as portas e janelas fechadas, usando calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para grávidas.

*Informações do repórter Daniel Lian