Caixa Econômica Federal estimula financiamento de imóveis usados

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2016 10h18
CAIXA / Balanço Caixa 2015 - São Paulo - data: 08/03/2016 - Caixa Econômica Federal realiza coletiva de imprensa para divulgar o Balanço Caixa 2015, no auditório da Universidade Caixa. Esq-Dir.: Paulo José Galli,VP Governo, Caixa; Leson Antonio de Souza VP Habitação Caixa; Marcos Roberto Vasconcelos, VP Ativos de Terceiros Caixa; MiriamBelchior, Presidenta da Caixa; Marcio Percival Alves Pinto, VP Finanças Caixa; José Henrique Marques da Cruz, VP Varejo e Atendimento Caixa e Roberto Derziê Sant'Anna, VP de Riscos Caixa. Presidenta Miriam Belchior durante a coletiva. Foto: Luiz Prado / Agência LuzMiriam Belchior

 A Caixa anunciou o lucro de R$ 7,2 bilhões em 2015 e com isso resolveu subir o teto de financiamento de imóveis usados para tentar reaquecer o mercado. Para unidades de até R$ 750 mil, o empréstimo máximo vai subir de 50% para 70% do valor total. A mudança vale para trabalhadores do setor privado. Já para o funcionalismo público, a cota subiu de 60% para 80%. Para imóveis acima de R$ 750 mil em Minas Gerais, São Paulo, Rio de janeiro e Distrito Federal, e R$ 650 mil no restante do país, o teto sobe de 40% para 60%.

A presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior, destaca que as medidas têm o objetivo de aumentar a demanda pelo crédito imobiliário: “A cota de financiamento do imóvel, que é aquela parte que o banco financia para o interessado no crédito, é um dos fatores que mais impactam a demanda por crédito imobiliário. Quanto maior for essa cota, mais interessados haverá pelo crédito imobiliário”.

Além do aumento da cota, a Caixa Econômica vai retomar o financiamento do segundo imóvel, medida que tinha sido suspensa em 2015. O vice-presidente de habitação da Caixa, Nelson Antônio de Souza, diz a Anderson Costa que a medida beneficia imóveis comerciais e também a troca: “Muitos clientes querem comprar o imóvel novo, mas precisam vender o usado. E muitas vezes quem está vendendo o novo não quer receber o usado de entrada. O mercado não funciona assim. Então vai ter um tempo, ele (o interessado) pode financiar esse segundo imóvel que quer e o outro que tem ele pode aguardar para vender em condições melhores”.

A Caixa Econômica acredita que as mudanças poderão representar a venda de mais 64 mil unidades habitacionais em 2015. Por enquanto, não há mudanças previstas nas taxas de juros e isso vai depender do movimento do mercado.