Câmara de SP estuda medidas para diminuir furtos em suas dependências

  • Por Jovem Pan
  • 10/02/2017 08h45
Câmara Municipal de São Paulo

O Palácio Anchieta, sede da Câmara de São Paulo, está sofrendo com alta incidência de furtos em suas dependências.

De acordo com dados divulgados pela assessoria de imprensa do Legislativo, em 2016, foram registrados 82 furtos de objetos que vão de torneiras de banheiros a lâmpadas. O local não conta com câmeras de segurança.

De todos os casos, o que mais chamou a atenção foi o furto de três carros oficiais da Casa, em outubro do ano passado. E com um detalhe: os crimes foram cometidos por um estagiário da Câmara de apenas 17 anos.

O jovem atuava no setor administrativo e tinha a função de levar documentos a gabinetes dos vereadores, arquivar multas de trânsito e identificar os motoristas infratores.

Com isso, ele tinha acesso liberado ao local onde ficam as chaves e documentos dos veículos.

Os três carros saíram do pátio externo do Palácio Anchieta e são locados para trabalhos externos da Câmara.

Apenas dois dos veículos foram recuperados pela Polícia Militar e somente três meses depois dos furtos a Polícia Civil chegou ao estagiário.

Na delegacia, o rapaz assumiu os crimes e conta que recebeu R$ 600 e um celular para levar os veículos.

A suspeita recaiu sobre o jovem depois da Polícia ter recebido informações sobre outro indiciado por furto qualificado, um homem de 22 anos, ex-namorado da mãe do adolescente.

O estagiário será chamado pela Vara da Infância e, prestes a completar um ano de serviço na Câmara, foi demitido.

Em nota, a Câmara de São Paulo informa em nota, que “em razão dos crimes dentro e nos arredores do Palácio Anchieta, estuda um projeto para instalação de sistema de monitoramento na Casa”.

De acordo com o texto, outra medida a ser adotada é “a identificação dos visitantes na recepção, mas sem restringir o livre acesso ao prédio”.

*Informações do repórter Fernando Martins