Com chuvas, população relaxa e consumo de água aumenta em São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2016 10h24
05/08/2014- São Paulo- SP, Brasil- O prazo de atividades do Grupo Técnico de Assessoramento para Gestão do Sistema Cantareira foi prorrogado para 31 de outubro de 2015. A prorrogação da vigência do GTAG-Cantareira considera a atípica situação de escassez de chuvas no Sudeste entre janeiro e julho. Este contexto climático tem resultado em vazões inferiores aos menores valores observados no histórico de monitoramento da bacia do rio Piracicaba, onde estão os principais reservatórios de regularização de vazões do Sistema Cantareira, responsável por parte do abastecimento de água das regiões metropolitanas de São Paulo e de Campinas. Foto: Fernanda Carvalho/ Fotos PúblicasCantareira sofreu com a seca em 2014

 Com o período chuvoso em São Paulo o consumo da água aumentou, mas técnicos do setor recomendam à população que continue economizando. Em julho de 2015, 83% das famílias reduziram o consumo para obter o bônus na conta, índice que caiu para 77% em dezembro. A sobretaxa cobrada no mês passado para quem gastou mais do que o limite imposto pelo Estado foi recorde desde janeiro de 2015.

O técnico em meteorologia do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) de São Paulo, Adílson Nazário, ressalta a recuperação das represas, mas reforça o uso racional da água: “As pessoas não podem pensar que o problema está resolvido. Estamos apenas começando e vamos praticamente chegar ao final desse mês, talvez com 15 pontos percentuais acima, com uma expectativa de mais chuva em fevereiro e em março e aí termina o período de verão”. O Cantareira, que é o maior reservatório da Grande São Paulo, chegou a ficar com 4% da capacidade e hoje está em 31%, mas no seu histórico já teve períodos com 80%.

Em entrevista a Marcelo Mattos, o professor da Universidade de São Paulo, Pedro Mancuso, aponta que a situação crítica serviu de aprendizado: “Não quer dizer de forma nenhuma que a gente possa baixar a guarda. Eu acredito que isso foi uma lição muito grande que nós todos tivemos e a gente não sai de uma crise sem aprender alguma coisa”.

O Centro de Gerenciamento de Emergências de São Paulo lembra que nessa semana o volume de chuvas foi mínimo, na comparação com as anteriores. Apesar da expectativa de recuperação considerável dos reservatórios, a economia do consumidor é fundamental para a segurança hídrica de todos.