Combate aos focos de Aedes aegypti em casas de veraneio é um desafio, diz especialista

  • Por Jovem Pan
  • 29/12/2015 12h36
Aedes aegypti

Agentes de saúde aproveitam casas de veraneio ocupadas no litoral para fazer vistorias e combater focos do Aedes aegypti. O alerta com o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya deve ser redobrado durante as férias, com o aumento da chuva e as altas temperaturas.

Em alguns casos, a população das cidades do litoral de São Paulo até quadruplica nessa época do ano.

O prefeito de São Sebastião, Ernane Primazzi, disse ao repórter Thiago Uberreich que as ações de combate ao mosquito vão se intensificar a partir desta quarta-feira: “são mais quatro caminhões, mais uma retroescavadeira, um equipamento a mais de nebulizador e aí o proprietário da casa deve ter uma atuação dentro do seu domínio”.

Primazzi acrescentou ainda que a cada 10 casos de dengue atendidos na cidade, quatro são de pessoas vindas de Caraguatatuba.

O coordenador de vigilância em Saúde de Ubatuba, Jorge Ribeiro, considerou o combate aos focos nas casas de veraneio como o principal desafio. “Como a população da cidade triplica com chegada de turistas, a gente aproveita esse momento para estar entrando nas casas de veraneio. A gente tem uma liminar que autoriza os agentes a entrarem nestas residências, mesmo sem os proprietários nos locais”.

De acordo com o coordenador, os agentes já vistoriaram 77 mil imóveis na cidade. A partir de janeiro, mil vagas serão criadas para que oficiais e soldados da PM também ajudem no combate ao mosquito no Estado.