Confira aqui o que você não ouviu em “Os Pingos nos Is” de 01/04/2016

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2016 15h19

Reinaldo Azevedo, Patrick Santos e o humorista Márvio Lucio, o Carioca, comentaram os principais assuntos desta sexta-feira (01) em “Os Pingos nos Is”.

DILMA X CORTE – Dilma Rousseff retomou hoje a reforma administrativa prometida em setembro do ano passado. A presidente eliminou 220 cargos em comissão e funções de confiança no Ministério da Agricultura, pasta comandada por Kátia Abreu.

INDÚSTRIA – A produção industrial do país caiu 2,5% no mês na comparação com janeiro. De acordo com o IBGE, trata-se do pior resultado mensal desde dezembro de 2013. Dos 24 ramos pesquisados, 13 apresentaram recuo. Os de pior desempenho foram veículos automotores, reboques e carrocerias, com queda de 9,7%.

SINDICATO – O sindicato dos educadores de Santa Catarina ofereceu ônibus de ida e volta a Brasília e R$ 300 para quem se manifestasse a favor do PT nos protestos de ontem. O e-mail foi encaminhado no dia 10 de março para todas as coordenações regionais.

DILMA X JOÃO SANTANA – A presidente Dilma disse, em conversa com assessores, que cabe ao marqueteiro João Santana explicar a informação de que ele recebeu dinheiro vivo da empreiteira Odebrecht e fez pagamentos em “cash” a prestadores de serviços da campanha da petista à reeleição em 2014.

ODEBRECHT X PP – Transferências internacionais de contas ligadas à Odebrecht no exterior para o doleiro Alberto Youssef foram usadas para o pagamento de propina ao PP, principalmente ao ex-deputado João Pizzolatti, segundo a PGR.

COMISSÃO – O presidente da Comissão do Impeachment, Rogério Rosso, quer começar na madrugada do dia 11 de abril, uma segunda-feira, a sessão de votação do relatório do colegiado. O objetivo é evitar que a reunião ultrapasse a meia-noite, o que poderia gerar questionamentos jurídicos. Pelas regras regimentais, mesmo com essa medida o tempo poderá ser extrapolado, porque a sessão pode durar mais de 30 horas.

JEFFERSON – Em entrevista ao Estadão, o ex-deputado Roberto Jefferson afirmou que o presidente da Câmara Eduardo Cunha é o “bandido” que ele diz mais gostar, pois “foi o adversário mais à altura do Lula”, que “nunca esperou encontrar um bandido da mesma qualidade moral, intelectual que ele”.