Confira aqui o que você não ouviu em “Os Pingos nos Is” de 28/04/2017

  • Por Jovem Pan
  • 27/04/2017 18h17

O que Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown não comentaram nesta sexta-feira (28), você confere aqui:

ABUSO X ENTIDADES – O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, José Robalinho Cavalcanti, fez críticas ao projeto que atualiza a lei que pune o abuso de autoridade, aprovada pelo Senado. Segundo ele, o texto continua com falhas que têm a Operação Lava Jato como “endereço certo”. Associações que representam juízes e o MP no Paraná também se manifestaram contra a proposta e afirmaram que o projeto de lei de abuso de autoridade é uma “tentativa de intimidação aos que investigam os casos de corrupção no país”.

MP X PENDURICALHOS – Segundo a Folha, as gratificações, auxílios e indenizações pagos a membros do Ministério Público de São Paulo fizeram com que 97% deles recebessem, em 2015, vencimentos acima do teto do funcionalismo público, estipulado em R$ 33.700. Chamadas informalmente de “penduricalhos”, essas verbas são previstas em lei ou em decisões judiciais. 

ESQUEMA – A operação Satélites 2 surgiu a partir da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado e de dois empresários. O advogado Bruno Mendes é uma das pessoas que tiveram suas conversas gravadas com Machado. Mendes também foi citado na delação de Ricardo Pessoa, dono na UTC, segundo quem, o ex-assessor operacionalizou o recebimento de propina ligada a Usina Angra 3. O esquema rendeu o repasse de R$ 1,5 milhão em propina à campanha de Renan Filho, filho de Renan Calheiros, ao governo de Alagoas. 
RESPOSTA – O advogado Luís Henrique Machado, defensor de Bruno Mendes, disse que na operação “não foi localizado, identificado ou apreendido, nenhum objeto de valor que pudesse aparentar origem suspeita ou resultado de conduta ilícita”. Em nota, ele afirmou que “tudo isso demonstra que não há nenhuma evidência ou participação do advogado nos fatos investigados”.