Confira a conversa entre Mercadante e assessor de Delcídio do Amaral

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2016 15h36
Ministro da Educação Aloizio Mercadante fala sobre o Enem

A Revista Veja revelou nesta terça-feira (15) o conteúdo de duas conversas entre o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e José Eduardo Marzagão, assessor do senador Delcídio do Amaral. 

Nos diálogos, Mercadante tenta convencer Marzagão a fazer Delcídio desistir de fazer delação premiada, além de lhe oferecer ajuda financeira, política e jurídica.

Confira alguns trechos:

 

Primeira conversa: a proposta de silêncio

AM – O que é que tem que você acha que eu possa ajudar?

JEM – Ministro…

AM – De verdade. Tô falando assim. Eu tô aqui. Ó, eu falei: Eu não quero nem saber o que o Delcídio fez.

JEM – É.

AM – Eu quero… eu acho que ele devia esperar, não fazer nenhum movimento precipitado, ele já fez um movimento errado, deixar baixar a poeira, ele vai sair, a confusão é muito grande. Aí… entendeu?

 

Ajuda financeira – Mercadante diz que ouviu que a mulher e as filhas de Delcídio querem que ele faça delação. 

AM – É o seguinte, eu me disponho, já te falei isso reservadamente, eu faço uma agenda no Mato Grosso do Sul, eu tenho que ir visitar uma universidade, um instituto… eu falo Maika, eu quero passar aí …

JEM – Só pra você ter uma ideia, eles estão vendendo a casa.

AM – Pra não ficar expostos.

JEM – Não, até pra…

AM – Arrecadar dinheiro.

AM – Patrimônio da família.

JEM – Patrimônio, as dívidas que ele tem. Pra você ter uma ideia da situação dele, o salário dele tem consignado. O salário do Delcídio tem empréstimo consignado, que ele está pagando.

AM – Bom, isso aí também a gente pode ver no que é que a gente pode ajudar, na coisa de advogado, essa coisa. Não sei. Pô, Marzagão, você tem que dizer no que é que eu possa ajudar. Eu só to aqui pra ajudar.

 

Ajuda política – O presidente do PT, Rui Falcão, divulga nota atacando Delcídio. Mercadante tenta consertar as coisas, oferecendo um acerto via Senado para que o petista não perdesse o mandato.

AM – Eu conversei com vários senadores

JEM – Hã.

AM – Eu falei: vocês se acocoraram!

JEM – Foi.

AM – Ah, pô! Nós tínhamos feito um movimento com o Sarney, o Jader e o…

JEM – Renan.

AM – Talvez o Senado fazer uma moção, a mesa do Senado, ao Teori, entendeu? Um pedido: olha, nós demos autorização considerando o flagrante, considerando as condições etc, mas não há necessidade pá, pá, pá – pá, pá, pá. E tentar construir com o Supremo uma saída.

 

Ajuda jurídica – Próximo do fim do ano, Mercadante tenta tirar Delcídio da prisão, nem que fosse durante o recesso.

AM – Eu vou tentar um parecer jurídico que tente encontrar uma brecha pra que o Senado se pronuncie junto ao Supremo com o pedido de relaxamento da prisão.

JEM – Isso, porque o problema é que o dia D é terça-feira.

AM – Tá.

JEM – Porque se passar terça-feira e não sair, só no ano que vem.

AM – Não, não, mas o presidente vai ficar no exercício… também precisa conversar com o Lewandowski. Eu posso falar com ele pra ver se a gente encontra uma saída. Mas eu vou falar com o ministro no Supremo também.

 

Estratégia de defesa – Esse diálogo já faz parte da segunda conversa entre os dois. Mercadante está mais inquieto, tentando convencê-lo a tirar esse assunto de delação da pauta, pois isso estaria assustando Renan Calheiros, que poderia não ajudar Delcídio no Senado.

AM – O que que é a dificuldade? O que é que eu quero te alertar. O Renan é um cara que tem uma zona cinzenta nessa história.

JEM – É.

AM – Como é que o Renan vai se mexer….eu sei que ele tá acuado porque o outro vai… entendeu?

JEM – É.

AM – Como é que o governo se mexe, porque parece que tem alguma coisa que ele sabe do rabo de alguém. Então, eu acho que tem que tirar isso da pauta nesse momento, pra defesa dele, tô falando…

JEM – Honestamente eu não sei…

AM – Eu não sei, o que eu vou… o que eu me disponho…como eu te falei. Olha, eu não quero me envolver mais do que posso. Faço isso por absoluta solidariedade. Acho que o que o PT fez é indigno e acho que o Senado não devia ter recuado.

 

Evitar a delação – Mercadante parece desesperado. Diz que estão assustando Delcídio para que ele faça a delação, como se isso fosse o único caminho para livrá-lo da cadeia.

AM – O cara, pô, fodido, acuado, arrebentado, sangrando… eu vou fazer o seguinte: eu vou conversar com alguns advogados que eu confio. Acho que vou chamar o Bruno Dantas pra conversar, que foi advogado-geral da União muito tempo…

JEM – Sim. Normal.

AM – E crie qualquer porra de um argumento contanto que ele não fique lá preso, acuado desse jeito.

JEM – Que fique em casa com tornozeleira, que fique num quartel do Exército, o caralho que seja, mas lá é…

AM – É ruim. Quando ele fala do risco da delação, hoje o advogado desmentiu. Fica um negócio assim: Parece que ele tá fazendo porque tá com medo, entendeu?

JEM – O problema é o seguinte: é que ele tá desestruturado. Então, alguém tá colocando pra ele que essa é a única maneira de ele sair de lá.

AM – Bom, eles fazem isso com todo mundo. Desestruturam o cara. Botaram… caralho… O que fizeram com o filho do Paulo Roberto foi isso, com as filhas…