Confira a edição completa de “Os Pingos nos Is” desta quarta-feira (05/04/2017)

  • Por Jovem Pan
  • 05/04/2017 14h27 - Atualizado em 22/06/2017 11h19

Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown comentaram os principais assuntos desta quarta-feira (05) em “Os Pingos nos Is”.

Em seu editorial de abertura, Reinaldo Azevedo falou sobre a decisão do STF de declarar inconstitucional o direito à greve de servidores públicos de órgãos de segurança. Saiba mais no editorial completo.

WYLLYS – O Conselho de Ética da Câmara decidiu punir com uma censura por escrito o deputado Jean Wyllys (PSOL) pelo cuspe em Jair Bolsonaro. O relator, deputado Ricardo Izar, havia sugerido inicialmente a suspensão do mandato por quatro meses – depois reduziu para 30 dias -, sob o argumento de que o ato cometido por Wyllys havia sido “torpe” e teria atingido a imagem do Congresso Nacional. Seu relatório foi derrotado por 9 votos contra 4. A advertência escrita, relatada por Julio Delgado, foi aprovada por 13 votos a 0. Wyllys ainda pode recorrer ao plenário da Câmara contra a advertência escrita.

CAIO BLAT – O ator Caio Blat comentou o caso envolvendo a figurinista Su Tonani, que acusou José Mayer de assédio sexual, provocando o afastamento do ator da próxima novela das 9h da Globo. “Não estou sabendo dessa decisão, mas não acho certa. Acho que foi uma brincadeira fora do tom, na presença de outras pessoas. Ele não representa uma ameaça a ninguém. Acho que ele foi brilhante na maneira como se colocou”, disse Blat.

GOVERNO X UBER – A equipe do presidente Michel Temer disse esperar que as emendas consideradas prejudiciais ao serviço de transporte Uber e seus similares sejam alteradas ou derrubadas pela base aliada no Senado. A avaliação é que os destaques inseridos na Câmara em vez de igualarem os direitos entre os serviços de Uber e de táxi, apenas prejudicam o funcionamento do primeiro, afetando a oferta do serviço de transporte para a população.

UBER X VOTAÇÃO – A Câmara aprovou um projeto que cria várias regras para o oferecimento de serviços por aplicativos de telefone celular como o Uber. Uma das emendas retirou do projeto a descrição de que o serviço é uma “atividade de natureza privada” e diz que as corridas terão que ser realizadas por “veículos de aluguel”, Outra alteração aprovada foi de que os motoristas terão que “possuir e portar autorização específica emitida pelo poder municipal” para trabalhar usando aplicativos como o Uber.

STF X PREVIDÊNCIA – A ministra do STF Carmen Lúcia atendeu a um recurso da Advocacia-Geral da União e liberou as propagandas do governo Temer sobre a reforma da Previdência, que haviam sido suspensas por instâncias inferiores da Justiça. O pedido para retirar a publicidade do ar em todas as plataformas havia sido feito pelo Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul, concedido pela juíza Marciane Bonzanini, que apontou “uso inadequado de recursos públicos” e “desvio de poder”.