Confira a edição completa de “Os Pingos nos Is” desta quarta-feira (23/07/2014)

  • Por Jovem Pas
  • 23/07/2014 19h44

No programa desta quarta-feira (23), Reinaldo Azevedo, Mona Dorf e Patrick Santos comentaram a pesquisa Ibope contratada pelo Estado de Sao Paulo e pela Rede Globo sobre a disputa presidencial desse ano.

Eis os números: a presidente Dilma Rousseff, do PT, soma 38% das intenções de voto. Na pesquisa anterior, de 15 de junho, Dilma tinha 39%. O candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 22% das intenções de voto, ante 21% do levantamento anterior. O candidato do PSB, Eduardo Campos, tem 8% das intenções de voto – eram 10% na pesquisa anterior. As oscilações estão todas dentro da margem de erro de 2 pontos.

No cenário de segundo turno contra o tucano, Dilma soma 41% das intenções de voto contra 33% de Aécio. Brancos e nulos são 18% e indecisos, 8%. Na pesquisa anterior, de meados de junho, Dilma tinha 43% e Aécio, 30%. No levantamento do início de junho, a petista tinha 42% contra 33% do tucano.

Quando Eduardo é o adversário, a presidente tem 41% das intenções de voto contra 29% do PSBista.

O trio de apresentadores também discutiu a morte do escritor Ariano Suassuna. Ele estava internado desde segunda-feira (21) no Real Hospital Português, após ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico.

Nascido em João Pessoa, ainda adolescente foi morar no Recife, onde terminou os estudos secundários e deixou seu nome marcado na cultura literatura brasileira, especialmente no teatro e na literatura.

Outro assunto de destaque foi a afirmação do ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Ele disse nesta quarta-feira que o governo vai enfrentar “até o fim” o que ele chamou de “guerra” em torno do decreto 8.243, que institui a chamada Política Nacional de Participação Social e busca regular a atuação de conselhos populares na administração federal.

A declaração na íntegra: “a participação social veio para ficar. Se a Câmara dos Deputados e o Senado tiverem bela inteligência política, não se colocarão na contracorrente de uma exigência da sociedade brasileira, da ampliação da participação. Da parte do governo há uma disposição de enfrentar essa guerra até o fim. Se houver derrota, quem pagará pelo preço são aqueles que se colocam contra essa participação.”, afirmou.

Confira no áudio acima esses e outros assuntos na íntegra do programa desta terça-feira.