Confira a edição completa de “Os Pingos nos Is” desta quinta-feira (06/04/2017)

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2017 14h49

Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown comentaram os principais assuntos desta quinta-feira (06) em “Os Pingos nos Is”.

Em seu editorial de abertura, Reinaldo Azevedo falou sobre a reforma da Previdência. Saiba mais no editorial completo.

ALCKMIN X PREVIDÊNCIA – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu a inclusão do setor público na reforma da Previdência. Afirmou: “O setor público tem privilégios inaceitáveis, salários altíssimos sem cálculo atuarial. Quem paga é a população mais pobre, através dos impostos indiretos. É um Robin Hood às avessas”.

BASE CURRICULAR – O Ministério da Educação apresentou hoje a versão final da chamada Base Nacional Comum Curricular para o ensino infantil e fundamental. O texto definitivo determina pelo menos sete mudanças importantes em relação aos esboços anteriores. Uma delas é que toda criança deve estar plenamente alfabetizada até o fim do 2º ano. O ensino religioso foi excluído do texto e o conceito de gênero não é trabalhado no conteúdo. A língua inglesa passa a ser o idioma estrangeiro obrigatório das escolas e o conteúdo de História passa a ser organizado segundo a cronologia dos fatos.

CAIO BLAT – O ator Caio Blat usou seu Instagram para se posicionar sobre a repercussão de alguns comentários que fez a respeito do caso de assédio envolvendo José Mayer e uma figurinista. Inicialmente, Blat disse que Mayer “não representa ameaça a ninguém”. No novo post, Blat ressaltou ser contra qualquer tipo de assédio ou provocação machista, critica o que chamou de distorção de veículos sobre suas falas e disse que apenas elogiou o fato de um “acusado se desculpar e assumir seu erro”.

CARNE – O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, divulgou os novos resultados da fiscalização sobre os frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca. De 302 amostras analisadas até agora, a pasta encontrou problemas sanitários em 8 delas, a maioria em hambúrgueres. A auditoria encontrou bactérias como salmonella e estafilococos, que podem causar vômitos, diarreias e outros problemas de saúde. Os problemas foram encontrados em produtos de dois frigoríficos: Transmeat e Frigosantos, ambos situados no Paraná.

BOLSONARO – Membros da comunidade judaica condenaram o clube A Hebraica do Rio por ceder espaço para o deputado Jair Bolsonaro dar uma palestra na última segunda. O presidente da Confederação Israelita do Brasil, Fernando Lottenberg, considerou a iniciativa um “erro”. No evento, Bolsonaro declarou que tem ‘cinco filhos, que quatro são homens e que, no quinto, ele deu uma fraquejada e veio uma mulher’.

WYLLYS – O deputado Jean Wyllys afirmou que não irá recorrer contra a decisão do Conselho de Ética que vai lhe aplicar uma advertência escrita pelo cuspe em Jair Bolsonaro, mas garantiu que faria tudo de novo. Disse Wyllys: “Guardo como um troféu. O que redimiu aquela noite pavorosa foi um cuspe na cara de um fascista. Foram seis anos sendo difamado e, quando fui chamado de ‘queima-rosca’ naquela hora por ele, cheguei ao meu limite. Cuspiria de novo”.

VEÍCULOS – A venda de automóveis no país cresceu pela primeira vez em 27 meses. No período, foram licenciados 189 mil veículos, uma alta de 5,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado. A produção de veículos também dá sinais de recuperação. Em março, saíram das linhas de montagem do país 234,7 mil unidades, o que representou um avanço de 18,1% na comparação com março de 2016.

ANDRÉ VARGAS – O ex-deputado do PT André Vargas (cassado em 2014 e hoje sem partido) foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro na Lava Jato. Ele é acusado de utilizar recursos ilegais para comprar uma mansão em Londrina. Preso desde abril de 2015, Vargas já havia sido condenado, em setembro daquele ano, a 14 anos de prisão por corrupção em um esquema de pagamento de propina que envolvia a contratação de agências de publicidade para a Caixa Econômica Federal e para o Ministério da Saúde.

DUDA – Segundo a Folha, o marqueteiro Duda Mendonça fechou acordo de delação premiada com a Polícia Federal. Ele é citado nas delações da Odebrecht como destinatário de recursos de caixa dois de campanha eleitoral – ele foi o responsável pela campanha do ex-presidente Lula, em 2002. O acordo depende agora da homologação do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo.