Cônsul-geral do Brasil confirma que não há brasileiros mortos em atentado

  • Por Jovem Pan
  • 15/07/2016 08h15
Caminhão atropela multidão durante Dia da Bastilha em Nice; veja fotos

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan, a cônsul-geral do Brasil em Paris, Maria Edileuza Fontenele Reis, afirmou que o Consulado segue no atendimento aos brasileiros na França e confirmou que, até o momento, há apenas um brasileiro ferido.

“Estamos acompanhando os desdobramentos desde o momento do ataque. Até o momento não temos notícias de vítimas brasileiras gravemente feridas ou até mesmo vítimas fatais. Esperamos que continue assim. Há um brasileiro com ferimento leve”, contou.

Uma brasileira procurou o Consulado, mas segundo a cônsul, o ferimento leve – um arranhão na perna – desta “não foi decorrente do episódio em si”. Segundo Maria Edileuza Reis, a brasileira estava se afastando do local e, por isso, arranhou a perna.

O Consulado-Geral do Brasil em Paris reiterou suas recomendações aos brasileiros residentes no país: “procurem tranquilizar os parentes no Brasil sobre sua integridade na França”.

Questionada se a segurança ficou muito focada em Paris por conta dos ataques em novembro do ano passado, que deixaram 130 mortos em uma noite, a cônsul-geral lembrou que “é muito difícil estar 100% preparado para um ataque terrorista” e que a França está em estado de alerta.

Na noite do atentado, o presidente francês, François Hollande, fez um pronunciamento oficial e anunciou medidas de segurança e um prolongamento do estado de emergência no país por mais três meses. O alerta se encerraria no próximo dia 23.

“Eu decidi a partir de proposta do primeiro ministro que vamos manter o mais alto nível da Operação Sentinela. Igualmente eu decidi fazer apelo a reserva operacional. Ajudar os efetivos de policiais. E particulamente no controle das fronteiras. O estado de emergência que deveria ser encerrado no dia 23 de julho, será prolongado por três meses”, afirmou o presidente.

Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, confirmou o “ato terrorista” e disse que há uma situação de guerra, mas que a França não se desestabilizará perante os terroristas.

“A França é um grande país e uma grande democracia que não vai se desestabilizar”, afirmou Valls, em uma breve declaração pública ao término do conselho de segurança e de defesa que presidiu o presidente francês, François Hollande.