CPI da Merenda ouve lobista suspeito de operar máfia de fraudes em licitações

  • Por Jovem Pan
  • 11/10/2016 07h09
Marcel Julio

A CPI da Merenda na Assembleia Legislativa de São Paulo ouve nesta terça-feira (11) o lobista suspeito de operar a máfia de fraudes nas licitações da alimentação escolar.

Marcel Júlio deve ser o segundo a se pronunciar na sessão marcada para o plenário Dom Pedro I. Ele já havia sido convocado pela comissão, quando obteve uma liminar da Justiça para permanecer calado durante a oitiva.

A TV Globo obteve a íntegra da delação que Júlio fez aos promotores da Operação Alba Branca. O documento indica que o lobista negociou com integrantes da Coaf, a cooperativa pivô das fraudes, para que ela obtivesse contratos junto à Secretaria Estadual da Educação.

De acordo com a delação, Marcel Júlio conversou com assessores do presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), e com o próprio deputado.

Segundo o lobista, o acerto foi feito com Jéter Rodrigues Pereira, assessor de Capez, para que a Coaf fosse favorecida em contratos com o Estado. Em troca, Marcel Júlio faria contribuições para a campanha eleitoral do deputado.

Fernando Capez diz desconhecer Marcel Júlio e quaisquer outros integrantes da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar.

O presidente da Assembleia Legislativa insiste que o nome dele foi utilizado indevidamente por outra pessoa que deseja obter vantagens e que a investigação precisa apontar quem é essa pessoa.

A outra pessoa que deve depor nesta terça-feira é Dione Moraes Pavan, funcionária pública acusada de ter perdido documentos que detalhavam compras da Secretaria da Educação.

*Informações do repórter Tiago Muniz