Criminosos imaginavam que assessor da CPTM era policial, aponta investigação

  • Por Jovem Pan
  • 20/09/2016 07h56
Roberval Andrade Nucci e Paula Guido iriam fazer viagem dos sonhos quando foram abordados

Dois adolescentes de 17 anos são apontados pela polícia como responsáveis pela morte do assessor da CPTM, Roberval Andrade Nucci, no último dia 7 de setembro, na zona oeste de São Paulo.

O primeiro deles, preso no final da semana passada, delatou o nome do segundo participante, que inclusive estava detido na Fundação Casa, pelo crime de sequestro.

O delegado reponsável pelo caso, Antônio José Pereira, contou que houve a confissão do crime: “ele confessou o crime perante o advogado da família e conseguimos apreender na residência dele a blusa utilizada no dia do fato”.

Entretanto, esse adolescente disse à polícia que não foi ele quem atirou contra o assessor. “Ele informou que quem atirou foi o outro adolescente”, disse o delegado.

De acordo com a investigação do DEIC, a vítima foi morta porque, durante a tentativa de roubo, os adolescentes pensaram se tratar de um policial. “Não houve nenhuma reação por parte da vítima. Em momento algum ele esboçou reação. Ao que tudo indica, ele atirou pensando ser policial”, explicou.

Roberval Andrade Nucci saía de moto com a mulher para uma viagem de férias até o Chile quando foi morto. A esposa não foi ferida.

*Informações do repórter Felipe Palma