“Decisão está mantida”, diz Doria sobre aumento de velocidade nas marginais

  • Por Jovem Pan
  • 12/10/2016 10h04
SP - TRÂNSITO/PAULISTA - GERAL - Trânsito na Marginal Tietê visto da Ponte das Bandeiras, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (22). 22/09/2016 - Foto: N.M/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOMarginal Tietê - AE

Em meio a discussões sobre as marginais e a relação com os acidentes fatais, João Doria Jr, prefeito eleito de São Paulo, reafirmou que a decisão pelo aumento da velocidade “está mantido”.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan, Doria disse que a posição apresentada em campanha, e reforçada após a eleição, foi estudada tecnicamente. “A decisão está mantida. O que eu mencionei é que, diante de manifestações feitas, algumas áreas da pista interna [local], havendo pontos flagrantes de acidente, poderíamos manter em 50km/h”, esclareceu o tucano.

A redução de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros foi implantada há um ano, na gestão do atual prefeito Fernando Haddad (PT). Segundo dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a soma de acidentes fatais nas vias caiu pela metade.

“Não temos compromisso com erros. Vamos implantar novas velocidades e vamos iniciar, simultaneamente, uma campanha para que os motoristas obedeçam a sinalização, sigam as regras e não usem celular enquanto estão dirigindo”, disse.

Tarifa de ônibus

Outro motivo de polêmica em seu início de transição para adentrar na Prefeitura, Doria reiterou também a decisão sobre o preço das tarifas.

“Nas tarifas teremos congelamento em R$ 3,80 em 2017. Em 2018 vamos recompor e seguir a correção inflacionária”, disse o prefeito eleito.

Doria atribuiu a decisão ao alto número de desempregados na cidade: “é preciso compreender esse flagelo social. Aumentar para R$ 4,40, ainda que seja recomposição tarifária, atinge os desempregados. Atinge de maneira feroz a situação econômica dessas pessoas”.

Ciclovias e ciclofaixas

João Doria reafirmou que sabe ouvir e que irá analisar as ciclovias e ciclofaixas implantadas na cidade.

“Não sou instransigente, sou exigente. É diferente. Tive um encontro agradável com cicloativistas, assim como quem atua na defesa dos pedestres. Eu ouvi, analisei. Ciclofaixas e ciclovias, nossa posição não é contra elas, onde elas não são utilizadas por ciclistas seja por lazer ou mobilidade ou ambos, não há sentido em mantê-las”, disse.

O tucano, no entanto, destacou que não há um impedimento em se implantar novas ciclovias, desde que via financiamento por empresas privadas.

Confira a entrevista completa: