Defesa condena especulação de delação envolvendo Lula e Arena Corinthians

  • Por Jovem Pan
  • 24/10/2016 06h58
BRA01 RIO DE JANEIRO (BRASIL), 26/09/16.- El expresidente brasileño, Luiz Inácio Lula da Silva participa en el acto electoral de la candidata a la Alcaldía de Río de Janeiro, Jandira Feghali, hoy, lunes, 26 de septiembre de 2016, en la zona oeste de la ciudad de Río de Janeiro (Brasil). EFE/Marcelo SayãoEx-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Lula condena especulação em torno do estádio do Corinthians como presente da Odebrecht. Reportagem do jornal Folha de S. Paulo afirma que o presidente do Conselho de Administração, Emílio Odebrecht, sustenta em acordo de delação que o estádio foi construído pela empreiteira como presente ao ex-presidente Lula, torcedor do time. O presente seria uma retribuição à suposta ajuda ao grupo nos anos que o petista comandou o País. A delação premiada de Emílio Odebrecht ainda está em fase de negociação.

Durante os governos do PT, de 2013 a 2015, o faturamento do grupo Odebrecht cresceu sete vezes, de R$ 17 bilhões para R$ 132 bilhões.

Emílio é pai de Marcelo Odebrecht, preso desde junho de 2015 e condenado a 19 anos de prisão. Ele pressionou Marcelo e 80 executivos do grupo para fecharem acordos de delação premiada na Lava Jato.

Os relatos indicam suborno, mas ainda precisam ser homologados pela Justiça. Emílio Odebrecht integra o acordo porque era o principal interlocutor de Lula e busca a única saída para salvar a empreiteira da falência. Após a prisão de Marcelo, a Odebrecht tem problemas de crédito e acumula dívida de R$ 110 bilhões.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, divulgou nota na qual garante que “a Lava Jato não conseguiu apresentar qualquer prova sobre suas acusações contra Lula. Na ausência de provas, trabalha-se com especulações de delações. Se a delação já não serve para provar qualquer fato, a especulação de delação é um nada e não merece qualquer comentário”.

*Informações do repórter Marcelo Mattos